CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Tati Lund ensina receitas veganas para um verão alto-astral

A chef do carioca .Org Bistrô prepara um menu que reflete sua sua alegria de viver e motivação para criar um mundo melhor

Por Marina Marques Atualizado em 23 fev 2022, 18h03 - Publicado em 20 fev 2022, 08h00

O clima agitado e o cenário paradisíaco da Barra da Tijuca inspiram Tati Lund a criar pratos que cativam pelo visual. A convite de CLAUDIA, a chef do .Org Bistrô prepara um menu vegano que reflete sua alegria de viver e motivação para criar um mundo melhor

Coloridos e leves, os pratos preparados pelas mãos da Tati Lund escondem uma força que é revelada a cada garfada. O empratamento pensado em detalhes é resultado de uma preocupação estética da chef, aprimorada ao longo dos dez anos à frente do .Org Bistrô. Essa delicadeza emoldura uma consistência que rendeu à cozinheira não só premiações, mas um posto de pioneirismo quando se trata de culinária vegana. “Os pratos aqui são fartos, não é aquela coisa pequenininha. A comida não é só linda e delicada, é também reconfortante”, explica a carioca sobre o menu do seu restaurante, inaugurado em 2011, na Barra da Tijuca.

A chef Tati Lund, do restaurante carioca .Org Bistrô
Idealizadora do .Org Bistrô, Tati Lund, 34 anos, anda pelo restaurante com um caderninho de anotações em mãos. Criativa, está sempre pensando em novos sabores e combinações para seu menu autoral | Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA

Como em todo cardápio sazonal, o .Org não tem pratos fixos e está sempre ao dispor da natureza. Para essas páginas, Tati selecionou seus favoritos da estação, com ingredientes que vão bem para os dias quentes e cabem na gastronomia do dia a dia. O baião de dois, por exemplo, a chef indica para uma “segunda sem carne”, já que o preparo se dá com ingredientes facilmente disponíveis na geladeira. A “carne” de jaca, um clássico vegano, é utilizada na cobertura da pizza, que resulta num ótimo petisco para os finais de semana.

Pizza vrango
Para dar cremosidade à cobertura da pizza, Tati ensina o preparo de um queijo vegano feito com polvilho azedo e castanha-de-caju | Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA
Baião de dois vegano
Baião de dois vegano | Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA

Considerada a melhor chef do ano em 2020 pela VEJA RIO COMER & BEBER – publicação que também deu ao seu restaurante o título de melhor vegetariano da cidade –, Tati Lund fez história ao ter um programa com receitas sem carne. Superando a timidez, ela apresentou, em 2014, o Tati Com Limão, no canal Woohoo. Um ano depois, ensinou receitas práticas nas três temporadas do Comida.Org, do GNT. Recentemente, no mesmo canal, expandiu os horizontes e abordou pautas sustentáveis no Conversas para o Planeta.

Poke havaiano
Temperada com shoyu, limão e gengibre, a melancia servida no poke é assada e ganha textura e sabor similares aos do atum | Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA
Ostras veganas
Para recriar a textura do molusco nesta “ostra vegana”, a chef usa o interior do coco verde – o tempero do vinagrete lembra o sabor do mar | Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA

Diferentemente da história comum entre tantos cozinheiros, não foi em casa que sua relação com a comida começou. “Eu não tenho isso de cozinhar na ‘barra da avó’. Aliás, a minha não fazia nada. A especialidade dela era gelatina”, se diverte. “Mas sempre amei a celebração à mesa e queria isso para a minha vida. Desejo ser essa avó, essa mãe que reúne todos em torno da comida”, revela.

Sua jornada teve início na faculdade de nutrição, aos 17 anos. “Tudo mudou quando, durante uma aula, assisti ao documentário A Carne é Fraca, do Instituto Nina Rosa, que mostra os impactos do consumo de carne para o meio ambiente. Nesse dia, cheguei em casa e falei para a minha mãe que nunca mais iria comer carne.”

Salada proteica
Generosa, a salada vale por uma refeição. O preparo traz um mix de sabores que a chef gosta de garantir em todos os seus pratos: picante, doce, salgado e ácido | Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA
Continua após a publicidade

Sobremesa levinha
Chamada de “levinha” pelo seu frescor, a sobremesa fecha o menu com elegância. Apesar do visual rebuscado, seus preparos são extremamente práticos | Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA

Foi a partir de então que sua vida passou a ser inteiramente voltada para a missão de levantar a bandeira da alimentação consciente. “Eu precisava traduzir o que pensava de uma maneira mais simples, porque eu não sou muito de falar. É na cozinha que consigo fazer a pessoa absorver aquilo que acredito, é onde está minha filosofia.” E assim surgiu o .Org Bistrô, inaugurado pela chef aos 23 anos. “Tenho sentimentos de família muito fortes aqui dentro do restaurante. Tem gente que chega e fala: ‘Ué, mas você tá aqui?’. Sim, aqui é minha casa. Todos os dias abro essa porta e entro muito feliz”, finaliza.

Confira as receitas a seguir:

Baião de dois vegano

Baião de dois vegano
| Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA

Pizza de vrango

Pizza vrango
| Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA

Salada proteica

Salada proteica
| Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA

Poke havaiano

Poke havaiano
| Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA

Ostras veganas

Ostras veganas
| Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA

Sobremesa levinha

Sobremesa levinha
| Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA

Trio de sucos

Trio de sucos
| Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA

Drinque Botânico

Drinque botânico
| Foto: Tomás Rangel/CLAUDIA

Cerâmicas: Alice Felzenszwalb | Concepção visual: Lorena Baroni Bósio

Continua após a publicidade

Publicidade