41 soldados das tropas de paz da ONU são acusados de estupro

25 crianças também foram violentadas sexualmente pelos "capacetes azuis", como são comumente conhecidos, na República Centro-Africana (RCA).

Segundo dados divulgados pela própria Organização das Nações Unidas, cerca de 139 mulheres que vivem na República Centro-Africana (RCA) sofreram violência sexual pelas mãos das tropas de paz da ONU. 25 crianças também integram a triste estatística de estupro praticada pelos soldados.

Leia mais: Lynsey Addario: “Trabalho em lugares em que o estupro é uma arma de guerra”. 

Este é um dos mais notórios casos de estupro envolvendo os “capacetes azuis”, como são comumente chamados os integrantes das tropas. A ONU ainda identificou que 41 de seus soldados foram responsáveis por tais atos e admitiu que trata-se de uma “epidemia de violações”.

Veja também: Fotógrafo retrata vida das mulheres durante e após a guerra.

Seis pedidos de reconhecimento de paternidade já foram encaminhados aos escritórios da ONU na região. Os casos ocorreram entre os anos de 2014 e 2015. As investigações dos casos apenas foram possíveis através de fotos e evidências que auxiliaram na identificação dos 41 abusadores – sendo 16 naturais do país africano de Gabão e 25, de Burundi.

Leia mais: Na Netflix: documentário lembra estupro coletivo que chocou a Índia.

83 vítimas não foram capazes de identificar os responsáveis pelo abuso, o que indica que o número de soldados que praticaram tais atos pode ser ainda maior. “A ONU condena todos os atos e vai insistir para que os governos tomem atitudes que levem essas pessoas à Justiça”, declarou a Organização, em comunicado formal, que tem recebido duras críticas por não idealizar ações instantâneas e enérgicas contra os autores dos crimes.

Veja também: Menina escreve carta à mãe denunciando pai por estupro: “Me perdoa, me ajuda”.

Soldados franceses também estão sendo acusados de violência sexual, nesta mesma região. “A menina, de sete anos, nos disse que fez sexo oral em soldados franceses em troca de uma garrafa de água e um pacote de biscoitos”, dizia um dos relatos das inúmeras denúncias registradas na Comissão de Direitos Humanos da Organização.

Leia mais: Nicole Kidman: “Combater a violência contra a mulher é prioridade na minha vida”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s