CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Mulher de 25 anos é morta em tiroteio no Rio ao proteger o filho

Ana Cristina da Silva estava a caminho do trabalho quando bandidos de quadrilhas rivais se enfrentaram

Por Da Redação Atualizado em 16 set 2020, 13h48 - Publicado em 27 ago 2020, 09h39

Ana Cristina da Silva, de 25 anos, foi baleada e morta na noite desta quarta-feira (26) na Zona Norte do Rio. Ela estava a caminho do trabalho, quando ficou no meio do tiroteio. A vítima estava em um carro com o marido e o filho de três anos e, no momento dos disparos, ela se curvou sobre o menino para protegê-lo. Foi atingida por tiros de fuzil na cabeça e na barriga. Por conta da intensidade do confronto, a equipe de socorro não conseguiu chegar ao local para atender Ana Cristina a tempo.

“A gente pensa que nunca vai acontecer com a gente, mas de uma hora pra outra você morre pra salvar a vida de um filho. Então, eu acho que não tem mensagem pra deixar, só tem indignação, só tem um pedido, né: Justiça pra ser feita. Foi apenas bandido contra bandido, parece que o Rio todo está tomado de bandidos. Isso que dá pra perceber”, lamentou Vânia Brito, cunhada de Ana Cristina, em entrevista à TV.

O tiroteio, segundo a polícia, foi motivado por uma disputa entre bandidos de facções criminosas rivais, numa tentativa de invasão ao Complexo do São Carlos. Além de Ana Cristina, outras seis pessoas ficaram feridas e um criminoso foi morto. Moradores registraram rajadas e explosão de granadas no bairro.

Na fuga, um dos bandidos fez uma família refém. O criminoso entrou em um prédio por volta das 3 horas da manhã, atirou no porteiro e invadiu um apartamento onde estava uma mulher com o filho, de cinco anos. Ele se entregou no início da manhã.

A onda de violência da madrugada chegou à Zona Sul, onde a polícia e bandidos trocaram tiros durante a fuga deles. Dezenas de cápsulas foram recolhidas por policiais na Avenida Borges de Medeiros, uma das principais vias da Lagoa. Segundo a polícia, os bandidos fugiam em um carro roubado, estavam vestidos com roupas camufladas e usavam coletes à prova de bala. Dois homens foram presos e estavam com granadas, munição, carregadores, um fuzil e duas pistolas.  De acordo com o Corpo de Bombeiros, um policial militar foi atendido com ferimentos após o carro dos bandidos bater em sua moto durante a perseguição.

  • O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

    Continua após a publicidade
    Publicidade