Órfã acusada de tentar matar os pais adotivos ganhou nova família

Natalia Grace vive agora com uma família cristã no estado de Indiana

Dias depois que o caso de Natalia Grace chocou a mídia, foram descobertas novas informações sobre o paradeiro da menina. A primeira mãe adotiva de Natalia, Kristine Bernett, afirmou que a menina de 9 anos tinha, na verdade, 22 anos, e sofria de nanismo. Ela conta que a “criança” tentou matá-la e fazia ameaças recorrentes a ela e ao ex-marido e, por isso, os dois a deixaram nos EUA quando mudaram para o Canadá.

Segundo o jornal britânico Daily Mail, Natalia agora está vivendo com uma nova família adotiva no estado de Indiana, nos EUA. Seus novos pais, Antwon Mans e Cynthia Mans, são pastores e têm outros cinco filhos. Um amigo próximo da família afirma que a acusação de que a menina é uma mulher adulta é “ridícula” e que a família não passou por nenhum problema com a nova filha.

A nova família de Natalia

A nova família de Natalia (Facebook/Reprodução)

Os novos pais consideram que Natalia tem 16 anos e sofre com uma rara forma de nanismo. Eles não se importam com as acusações de que ela seria uma sociopata e afirmam que decidiram adotá-la porque “encontraram uma criança doce, em necessidade e abandonada”. O casal disse que tentou conversar com os antigos pais da garota depois de perceber que em sua certidão de nascimento consta a data de 1989 e não de 2003, mas Kristine e Michael não responderam. Agora, eles tentam oficializar a adoção na justiça.

 (Facebook/Reprodução)

O caso

A história de Natalia viralizou na semana passada por sua incrível semelhança com o filme de terror “A Órfã”. Seus antigos pais adotivos, Kristine e Michael, estão sendo acusados pela justiça americana de negligência após abandonarem a “menina” na casa em que viviam nos EUA para morar no Canadá. Depois da acusação, a mãe resolveu contar sua versão da história para o Daily Mail, na qual afirma que a menina é, na verdade, uma sociopata de 22 anos que sofre de nanismo.

O casal adotou a menina ucraniana de então 6 anos em 2010. Porém, logo em seguida, começaram a perceber alguns comportamentos estranhos. Kristine afirma que começou a questionar se a filha era realmente uma criança quando viu que ela tinha pelos pubianos e menstruava, além de usar um vocabulário muito rebuscado para sua idade.

A partir daí, o casal passou a sofrer ameaças constantes em que Natalia afirmava querer matá-los. Em 2012, ela tentou jogar Kristine em uma cerca elétrica e foi internada em uma unidade psiquiátrica, onde admitiu ser muito mais velha do que aparentava ser. Os pais, então, resolveram se mudar para o Canadá por medo de algo pior acontecer e para que seu filho mais velho, que tem autismo e é um prodígio da física, pudesse frequentar a universidade. Desde então, o paradeiro de Natalia era desconhecido.

Leia mais: Ferroviária vence Campeonato Brasileiro feminino contra o Corinthians

+ Damares propõe estender licença-maternidade e paternidade

PODCAST – Como ter mais orgasmos: o caminho para uma vida sexual satisfatória