CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Cientistas alertam para mais uma nova variante do coronavírus no Brasil

O estudo identificou que a nova cepa já circula em todas as regiões do país, exceto no Centro-Oeste

Por Da Redação Atualizado em 14 mar 2021, 15h39 - Publicado em 13 mar 2021, 15h01

Depois da variante do coronavírus P1, encontrada originalmente em Manaus, cientistas brasileiros encontraram uma nova cepa no país, a N9. Segundo o Estadão, a variante pode ser mais transmissível e até mais resistentes às vacinas, uma vez que há a hipótese dela driblar os anticorpos com mais facilidade. Os estudos apontam que a mutação foi encontrada pela primeira vez no mês de novembro em São Paulo, sendo que no momento já está presente em todas as regiões do país, exceto no Centro-Oeste.

As informações do estudo, reconhecido pela revista científica Genomic Epidemiology, foram coletadas de 195 pessoas diagnosticadas, de 11 a 90 anos, com Covid-19 entre 1º de dezembro e 15 de fevereiro de 2021.

“A identificação da nova variante foi feita em um pequeno número de pessoas, mas nos causa preocupação porque já está em praticamente todo o País. Ela foi identificada pela primeira vez em dezembro e continuada se espalhando”, disse o virologista Fernando Spilki, coordenador da Rede Corona-ômica.

Além da revista científica Genomic Epidemiology, o estudo foi certificado por pesquisadores da Rede Corona-ômmica, do Laboratório Nacional de Computação Científica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, da Universidade Federal da Paraíba, da Universidade Estadual de Santa Catarina e da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Concomitantemente ao período de produção da pesquisa, a Fiocruz também encontrou a nova variante.

O isolamento social é uma forma primordial de não só evitar a transmissão do vírus que circula no território, como também previne o surgimento dessas novas variantes. Vale lembrar que, ao contagiar milhares de pessoas, o coronavírus cria um mecanismo de adaptação para a sua sobrevivência, que gera essas novas cepas com potenciais na maioria dos casos mais agressivos.

Como conviver com a endometriose

  • Continua após a publicidade
    Publicidade