Clique e assine com até 75% de desconto

Justiça reconhece que Zuzu Angel foi assassinada pelo Estado

A União terá que pagar uma indenização às filhas da estilista, Ana Cristina e Hildegard Angel. Zuzu foi morta em 1976, durante a Ditadura Militar

Por Da Redação Atualizado em 16 jun 2020, 13h01 - Publicado em 16 jun 2020, 12h34

A União terá que pagar uma indenização de R$ 500 mil para Ana Cristina e Hildegard Angel pelo assassinato da mãe delas, Zuzu Angel, estilista morta durante a Ditadura Militar. A informação foi divulgada pelo colunista Ancelmo Gois, do jornal O Globo, na última segunda-feira (15).

Hildegard, que é jornalista, publicou um texto no portal Brazil 247 falando sobre o reconhecimento por parte do Judiciário de que a morte de Zuzu — até então dada como um acidente de carro por “causas desconhecidas” —  foi responsabilidade do Estado anti-democrático da época.

“Sabemos que indenização alguma paga uma vida, compensa a ausência do afeto, da compreensão e dos cuidados que só podem ser proporcionados por uma mãe. E uma grande, imensa mãe, como foi Zuzu”, começa. “No entanto, cansadas de ler, nas referências à morte de mamãe, quase sempre a mesma frase ‘acidente por causas desconhecidas’, cansamos, minha irmã e eu, de tanta desinformação”, completa.

A estilista sofreu um acidente de carro na Estrada da Gávea, quando saía do túnel Dois Irmãos que depois recebeu o nome de Zuzu Angel, em sua homenagem , em São Conrado, no Rio de Janeiro. O caso aconteceu cinco anos depois que seu filho mais velho, Stuart Edgar Angel Jones, foi capturado e preso pela Ditadura Militar. O acontecimento fez com que a estilista entrasse na militância contra o regime, denunciando à imprensa atrocidades cometidas pelo Estado e reivindicando os direitos de poder sepultar seu filho.

“A grande imprensa sabia, os jornalistas sabiam, os formadores de opinião sabiam, os artistas, os políticos, os empresários, os juristas, todos sabiam. Teses foram escritas a respeito, livro foi publicado, canção de Chico e Miltinho composta, filme, dramatizações na TV, balé, exposições várias, encenações, ruas com seu nome inauguradas, escolas, túnel, monumentos, prêmios… Homenagens que, enternecida e para sempre agradeço”, escreveu Hildegard a respeito da verdadeira causa da morte de sua mãe. Ela também fez uma publicação em seu perfil no Twitter a respeito.

Continua após a publicidade

A jornalista ainda relembrou que no atestado de óbito de Zuzu já consta, como causa mortis, o assassinato pelo Estado brasileiro.

“Aproveito aqui para informar aos que inadvertidamente negarem o assassinato de Zuzu Angel, acontecido numa emboscada covarde pelos agentes da ditadura, que não se trata mais de simples omissão ou negligência, mas de um crime contra a memória de nosso país”, finalizou.

  • O que você precisa saber sobre gravidez em tempos de pandemia

    Continua após a publicidade
    Publicidade