CLIQUE E ASSINE A PARTIR R$ 6,90/MÊS

5 dicas práticas para melhorar a relação entre nora e sogra

A convivência com a mãe do parceiro não precisa ser fonte de tensão. Confira os conselhos de especialistas para melhorar a situação familiar

Por Liliane Prata 26 jan 2017, 16h24

Em estudo realizado ao longo de 23 anos, a psicóloga inglesa Terri Apter, da Universidade de Cambridge, constatou que 60% das mulheres reclamavam da sogra, ante apenas 15% dos homens.

Para Cristina Aragonez, psicóloga clínica de Porto Alegre, o resultado não surpreende: “Observo o mesmo no consultório. Vivemos em uma sociedade machista, em que o comportamento da mulher é mais questionado que o do homem. O genro costuma ser acolhido ao chegar à família de origem da parceira; a nora, muitas vezes, é alvo de críticas, como se fosse uma intrusa, uma estranha no ninho”.

O psicólogo Frederico Mattos, de São Paulo, acrescenta: “O machismo cria uma aura de importância superestimada nos homens, como se eles fossem o centro da ação e da narrativa da vida. Isso abre espaço para uma competitividade que muitas mulheres não se percebem nutrindo, ainda que inconscientemente, pela atenção deles”.

Leia também: Como envolver a sogra na educação dos filhos de forma saudável

Se, no imaginário popular, a sogra é motivo de piadas, no dia a dia do casamento o tom pode pender mais para o drama. Confira as orientações de especialistas para resolver situações complicadas.

Se você é nora…

. Converse com seu marido sobre o comportamento da mãe dele – seja o mais descritiva possível para não ofendê-la – e peça que ele intervenha. Sugira que ele siga este caminho: “Mãe, entendo seu ponto de vista, mas eu e minha mulher decidimos fazer assim”.

Continua após a publicidade

. Quando sua sogra fizer algo que desagrade a você, como passar por cima de suas orientações para cuidar das crianças, lembre-a da conversa: “Como seu filho já falou, é assim que fazemos com nossas crianças/casa”.

Se você é sogra…

. Tome cuidado com o ciúme e a resistência em relação à mulher que seu filho escolheu para dividir a vida. Lembre-se: essa é uma decisão que cabe a ele, não a você.

. Entenda que na casa de seu filho valem as regras do casal. Se tiver sugestões, perceba como elas são recebidas e tome cuidado com a insistência: está no direito deles ouvir e não seguir suas ideias.

. Caso se sinta desrespeitada, converse com seu filho reservadamente. Seja sincera, mas cuidado com o tom. Afinal, o objetivo é recuperar a harmonia.

Leia também: 10 coisas que a sogra nunca deve dizer para a nora 

Continua após a publicidade

Publicidade