CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Positividade Tóxica e os seus efeitos na saúde mental

Uma escuta ativa e autoconhecimento são essenciais para não cair na armadilha das falas tóxicas e manter a sua saúde psicológica

Por Sarah Catherine Seles Atualizado em 19 abr 2022, 17h28 - Publicado em 20 abr 2022, 08h52

É bem provável que você já tenha escutado falar em positividade tóxica. Cada vez mais discutida nas redes sociais ou nas rodas de amigos, ela fala sobre aquele tipo de “good vibes” que, ao invés de trazer conforto e motivação, tem um efeito negativo nas emoções e na saúde mental.  A psicóloga Alessandra Augusto explica mais sobre o tema e reforça a importância de vivenciar todas as emoções.

Positividade Tóxica X Otimismo

É comum que a positividade tóxica seja confundida com um otimismo exacerbado, mas não é bem assim: “A positividade tóxica é uma negação daquilo que está evidente ou do que eu estou sentindo naquele momento. Então é uma imposição de uma reação favorável. Eu não sinto, eu imponho um sentimento positivo em relação a determinada situação.”

Já o otimismo, segundo a especialista, pode ser compreendido como um movimento de ver o lado bom de cada situação, sem te levar a engolir e não experimentar os sentimentos, como uma negação.

Os perigos da positividade tóxica

Engana-se quem pensa que a tal positividade exagerada não traz malefícios reais. “A positividade em excesso afeta a saúde mental no momento em que eu não consigo expor as minhas emoções e meus sentimentos, onde eu sou levado a engolir, a abafar, a negar o que eu estou sentindo por essas falas positivas exacerbadas”, afirma Alessandra. 

Por mais estranho que pareça – e contrariando o que muita gente acredita – suprimir os sentimentos negativos, em nós ou nos outros, não faz bem. “Eu preciso deixar que esse indivíduo se estresse. Se ele está descontente, tem uma tristeza, uma inconformidade, ele precisa ser ouvido, ele precisa que essa dor seja validada. Somos indivíduos subjetivos singulares, então cada um tem aquilo que lhe afeta”, exemplifica a psicóloga.

Continua após a publicidade

A falta de acolhimento desses sentimentos negativos, ao invés de te afastá-los, pode gerar o efeito contrário, trazendo prejuízos. “Então eu preciso ter cuidado porque esse indivíduo pode adoecer, essa fala positiva pode ter um efeito contrário, que indica que ‘Não vale a pena o que eu falo, não vale a pena aquilo que eu sinto, não vale a pena estar aqui’”, completa.

Como identificar e afastar

Mas, afinal, como eu identifico se estou diante de pessoas com positividade tóxica? Segundo a especialista, um sinal de alerta é sentir que seus sentimentos são invalidados e que você não encontra um espaço seguro em suas amizades para se abrir. Falas comuns – e que são vestidas de bons conselhos – incluem: “Você vai vencer”, “Não é tão ruim assim” ou “Você não pode falar desse jeito”.

É importante entender que sim, nós podemos ficar tristes, dizer não, não precisamos estar bem o tempo todo

psicóloga Alessandra Augusto

A psicóloga explica que o acolhimento e uma escuta ativa são essenciais, e que se autoconhecer e entender os próprios limites permite que a fala dos outros deixe de regular os nossos sentimentos. “Se eu estiver me guiando pela voz do outro, eu não consigo expor aquilo que eu estou sentindo e acabo somatizando”, alerta.

Quer ter certeza de que você não irá perpetuar a positividade tóxica? Busque trocar as falas tóxicas por frases acolhedoras e otimistas, mas que não invalidam o sentimento dos outros. Bons exemplos são: “Estou aqui para te ajudar” e “Estou aqui pra te ouvir”. “O otimista está ali pra te auxiliar, para fazer você ver um lado bom, trazer uma solução leve. A positividade tóxica abafa e nega os seus sentimentos, diminui o que você está sentindo e temos que tomar cuidado para não fazer isso”, finaliza.

Continua após a publicidade

Publicidade