CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Brasil é 142º em ranking de participação feminina na política

Observando todos os países da América Latina, o Brasil se mostrou superior apenas ao Haiti. Argentina ocupa a 20ª posição

Por Da Redação Atualizado em 22 nov 2021, 15h04 - Publicado em 22 nov 2021, 11h49

O Brasil ocupa a 142ª posição em um ranking internacional de participação de mulheres na política. Elaborada pela União Interparlamentar com base na composição dos parlamentos de cada país na esfera federal, a classificação, atualizada em outubro, considerou 192 países.

Observando os países da América Latina, apenas o Haiti está atrás do Brasil. A vizinha Argentina figura em vigésimo lugar nessa classificação. 

No Brasil, as mulheres representam 15% da Câmara de Deputados, visto que em 2018 foram eleitas 161 deputadas estaduais (equivalente a 15,56% do total). No que diz respeito à bancada de senadoras eleitas no mesmo ano, as mesmas correspondem a 11,54% da Casa.

Em relação às eleições de 2020, o número de vereadoras eleitas, 898 no total, corresponde a apenas 16,51% dos assentos das câmaras municipais, embora as mulheres representem 52,50% do eleitorado.

Os números reais não vão de acordo com a lei brasileira, que determina que os partidos são obrigados a destinar 30% de suas vagas a mulheres, com distribuição proporcional de recursos para campanha.

Leia mais: por que a reforma eleitoral ameaça o crescimento das mulheres na política

Continua após a publicidade

Violência Política

Visualizando um cenário com desigualdades raciais e de participação, um estudo realizado pelo Instituto Marielle Franco concluiu que 98,5% das candidatas negras sofreram mais de um tipo de violência política durante a disputa eleitoral de 2020.

A pesquisa, realizada com 142 candidatas negras em 21 estados, apontou que 78% delas foram alvo de violência virtual. 62% delas ainda alegaram ter sofrido violência moral e psicológica, enquanto 42% relataram violência física e 32%, sexual.

Destas mulheres, apenas 32% tiveram coragem de denunciar as agressões, no entanto, 70% afirmam que as denúncias não surtiram efeito.

 

Continua após a publicidade

Publicidade