Uma mulher é alvo de abuso online a cada 30 segundos, diz estudo

Entre todas as mulheres, negras e mestiças são as mais atacadas no Twitter

É sempre necessário tomar cuidado nas redes sociais. Em plataformas como o Twitter, por exemplo, as mensagens podem ser bastante agressivas. De acordo com a Anistia Internacional, uma mulher é alvo de violência ou de abuso online nessa rede a cada 30 segundos.

O estudo divulgado nesta quarta-feira, 19, analisou milhares de tuítes recebidos por 778 jornalistas e políticas dos EUA e do Reino Unido, no ano de 2017. Todas representavam várias opiniões políticas e ideológicas.

Entre o total, 1,1 milhão de tuítes mencionados (7,1%) continham conteúdo considerado “problemático” (definido como conteúdo hostil ou nocivo, que pode reforçar esteriótipos negativos ou prejudiciais contra determinado grupo) ou “abusivo” (que viola as próprias regras do Twitter e que promove violência ou ameaças contra pessoas por base em sua raça, etnia, origem, orientação sexual, gênero, religião, idade e outros).

Leia mais: Lembra dela? Lety, de A Feia Mais Bela, surge irreconhecível

Um dos dados mais preocupantes apontado pelo estudo mostrou que as mulheres mestiças, incluindo negras, latinas e asiáticas, tinham 34% mais chance de serem mencionadas nesses tuítes do que as brancas. As negras foram as mais atacadas, tendo 84% mais chance de serem alvo.

De modo geral, a Anistia considera a atuação do Twitter como insuficiente. Em março, a entidade divulgou o Twitter Tóxico: violência e abuso contra mulheres online, um relatório que apontava os passos que seriam adotados pela plataforma.

Nele, a Anistia afirmou, a partir das análises, que “como empresa, o Twitter não está cumprindo sua responsabilidade de respeitar os direitos das mulheres online ao não investigar de modo adequado e responder a relatos de violência e de abuso de maneira transparente”.

Leia mais: Mãe de Meghan Markle não quer passar o Natal com a rainha

Como consequência, a Anistia apontou que tal comportamento “leva muitas mulheres a se silenciarem ou se censurarem na plataforma”.

O Twitter, por sua vez, divulgou, na semana passada, um relatório de transparênciaNele, foi incluída uma uma seção sobre a aplicação de regras, recomendação feita pela Anistia.

O órgão, no entanto, afirmou que “a informação fornecida no relatório de transparência não vai longe o suficiente. Por exemplo, os dados incluídos não são desagregados por categoria de abuso reportado, mas simplesmente agregados em duas categorias, de ‘abuso’ e ‘conduta odiosa’.

Ainda há um longo caminho a ser percorrido.

Veja mais: Como a Lua cheia do dia 22 de dezembro irá afetar o seu signo

Siga CLAUDIA no Instagram