CLIQUE E ASSINE A PARTIR R$ 6,90/MÊS

Bebê de um ano e meio morre baleado no Rio de Janeiro

Com o assassinato de Mário, a Região Metropolitana do Rio de Janeiro soma quatro crianças mortas por bala perdida neste ano

Por Da Redação 26 out 2021, 15h00

Mario Neto Ferreira Lourenço, de apenas um ano e meio, morreu na tarde desta segunda-feira (25) em Mesquita, na Baixada Fluminense. O menino estava no barbeiro cortando o cabelo acompanhado do pai, quando foi atingido por um tiro.

A criança foi levada ao Hospital Geral de Nova Iguaçu, mas não resistiu aos ferimentos. No mesmo tiroteio, mais dois homens foram mortos e uma criança de 3 anos ficou ferida após ser atingida de raspão por um tiro.

Juan Batista de Souza, 24, morreu no local e Renan Felipe Batista Nunes também foi levado para o Hospital Geral de Nova Iguaçu em estado gravíssimo e não resistiu.

A Polícia Civil investiga o caso e pede à população que ajude com qualquer informação que possa colaborar na identificação dos autores dos disparos.

Lucas Lourenço, pai de Mário, fez uma postagem nas redes sociais após a morte do filho. “Hoje foi meu filho, perdeu a vida cortando cabelo no salão vítima da violência do Estado do Rio de Janeiro. Até quando vamos perder entes queridos? Um ano e seis meses meu príncipe. Senhor, misericórdia. Muita dor na minha alma”, dizia o post.

Com o assassinato do menino, a Região Metropolitana do Rio de Janeiro soma quatro crianças mortas por bala perdida neste ano. Alice Pamplona, de 5 anos, morreu nas primeiras horas do ano, quando assistia à queima de fogos no réveillon no colo da mãe, em Turano, Rio Comprido.

Em fevereiro de 2021, Ana Clara Machado, 5, brincava na porta de casa em Monan Pequeno, em Niterói, quando foi baleada. A família chegou a acusar policiais militares que faziam patrulha na região; a PM negou,

Kaio Guilherme da Silva Baraúna, 8, foi atingido por um tiro na cabeça em abril. O pequeno brincava em uma festa em Bangu, Zona Oeste do Rio, quando foi atingido. Kaio chegou a ficar internado por oito dias, mas não resistiu.

Continua após a publicidade

Publicidade