CLIQUE E ASSINE A PARTIR R$ 6,90/MÊS

Vereadora acusa salão de beleza de transfobia em Belo Horizonte

Duda Salabert afirmou que funcionárias do estabelecimento se negaram a atendê-la por ser uma mulher trans

Por Da Redação 26 out 2021, 12h40

Duda Salabert, 40, a primeira mulher transexual a ser eleita em Belo Horizonte, afirmou que teve atendimento negado em um salão de beleza na segunda-feira (25) por ser trans. Após compartilhar nas redes sociais, ela decidiu fazer uma denúncia formal sobre o ocorrido.

A parlamentar contou que o caso ocorreu por volta das 14h quando procurou atendimento no estabelecimento localizado no Shopping Cidade, mas as funcionárias disseram que “só atendiam mulheres”.

“Fui fazer minha sobrancelha. Atendente: só fazemos sobrancelha feminina. Eu: a minha é feminina. Atendente: não atendemos homem”, ela relatou nas redes sociais.

View this post on Instagram

A post shared by Duda Salabert (@duda_salabert)

De acordo com Duda, a recusa do atendimento se manteve após informar que é uma mulher trans e outras funcionárias do salão endossaram a atitude da primeira: “Não te atenderemos”.

Continua após a publicidade

“Fui à administração do shopping e fiz a reclamação. O shopping pediu desculpas. Amanhã farei a denúncia formal”, disse a vereadora. Ela teve apoio da administração que seguiu até a loja no mesmo momento. E, apesar das funcionárias admitirem o erro, continuaram a negar o atendimento.

View this post on Instagram

A post shared by Duda Salabert (@duda_salabert)

“Recusaram me atender por eu ser uma mulher transexual. Amostra da transfobia diária desse país”, explicou. O Shopping cidade soltou uma nota sobre o ocorrido dizendo que repudia a discriminação. O texto promete ainda apurar o ocorrido e atuar na conscientização dos lojistas para que casos como esse não se repitam.

“Vale reforçar que o Shopping Cidade sempre foi um ambiente diverso e tem como sua bandeira ser um shopping para todos”, diz a nota.

“Esse episódio acontece tragicamente três dias depois da Assembleia [de Minas] manter o veto do Zema [governador, Novo] sobre o projeto de lei que pretendia, justamente, impedir atitudes como essa, punindo estabelecimentos que agem com discriminação pela identidade de gênero”, desabafou.

 

Continua após a publicidade

Publicidade