Clique e assine Claudia a partir de R$ 5,90/mês

Presente dado a príncipe George pode gerar tensão entre países

Fóssil presenteado pelo naturalista David Attenborough foi retirado de Malta, que se manifestou sobre artefato

Por Da Redação - 28 set 2020, 18h14

Poderia uma lembrancinha causar rusgas entre duas nações? Espera-se que não, mas a possibilidade paira no ar após a visita do naturalista britânico David Attenborough à família de Kate Middleton e William no último final de semana.

Isso porque o visitante presenteou o pequeno George com um fóssil do dente de um tubarão pré-histórico, um artefato encontrado pelo próprio ambientalista em suas férias em Malta há mais de 50 anos. O gesto amigável, contudo, não foi bem recebido no país de origem do fóssil e que até 1964 era colônia britânica.

@kensingtonroyal/Instagram

José Herrera, ministro da cultura maltês, declarou que irá investigar se o dente deve ser devolvido para a ilha de onde foi originalmente escavado. Acredita-se que o artefato, encontrado incrustado em calcário amarelo, tenha aproximadamente 23 milhões de anos e pertencia ao megalodonte, uma espécie de tubarão gigante, hoje extinta, que podia atingir 16 metros de comprimento.

@kensingtonroyal/Instagram

Questionado pelo jornal Times of Malta sobre planos de adicionar o fóssil à coleção de patrimônio da nação, o ministro disse que iria dar o pontapé inicial. “Existem alguns artefatos que são importantes para o patrimônio natural maltês, que acabaram no exterior e merecem ser recuperados”, afirmou Herrera. “Nós, com razão, damos muita atenção aos artefatos históricos e artísticos. Contudo, nem sempre é o caso de nossa história natural. Estou determinado a conduzir uma mudança.”

Enquadrados na definição de patrimônio cultural como um “objeto móvel ou imóvel de importância geológica”, os fósseis, de acordo com a Lei do Patrimônio Cultural de 2002, têm sua remoção ou escavação proibida, informou o jornal. De acordo com The Guardian, o Palácio de Kensington não se pronunciou sobre a questão.

O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

Continua após a publicidade
Publicidade