Clique e assine Claudia a partir de R$ 5,90/mês

Rainha Elizabeth perdeu mais um reinado nesta semana

"Chegou a hora de deixar totalmente para trás nosso passado colonial", anunciou Sandra Mason, governadora-chefe de Barbados

Por Da Redação - Atualizado em 17 set 2020, 10h47 - Publicado em 17 set 2020, 10h30

O ano de 2020 realmente não está poupando ninguém. Prova disso é que após 28 anos, a rainha Elizabeth II perderá o reinado de mais uma nação. Nesta terça-feira (15), a governadora-chefe de Barbados, Sandra Mason, comunicou o plano da ilha caribenha de remover a rainha do posto de chefe de estado para transformar o país em uma república.

Em 1627, os ingleses colonizaram Barbados, sendo que até 30 de novembro 1966 a ilha permaneceu como uma colônia. Mesmo com a independência conquistada, os sistemas regionais ainda são ligados à Grã-Bretanha e possuem esse vínculo com a realeza.

No anúncio, Mason fez um posicionamento firme em relação à busca por liberdade. “Chegou a hora de deixar totalmente para trás nosso passado colonial. Os barbadianos querem um chefe de Estado barbadense. Esta é a declaração final de confiança em quem somos e no que somos capazes de alcançar. Portanto, Barbados seguirá a próxima lógica em direção à soberania plena e nos tornaremos uma República quando celebrarmos nosso 55º aniversário de independência”, declarou.

Antes de Barbados, as Ilhas Maurício também se desvincularam da família real britânica. Porém, a rainha continua como chefe de estado das ex-colônias, incluindo Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Jamaica, Bahamas, Santa Lúcia, Ilhas Salomão e Tuvalu, entre outras.

Rainha Elizabeth e Sandra Mason durante um encontro no Palácio de Buckingham em março de 2018 WPA Pool/Getty Images

O vínculo com as ex-colônias é questionado por alguns dos membros da própria família real, como o príncipe Harry e a duquesa Meghan Markle. O casal já fez um pedido para o Reino Unido reconhecer os “erros” de sua história colonial.

Continua após a publicidade

“Quando você olha para a comunidade, não há como seguir em frente, a menos que reconheçamos o passado. Muitas pessoas fizeram um trabalho incrível de reconhecer o passado e tentar corrigir esses erros, mas acho que todos nós reconhecemos que ainda há muito mais a fazer. Não vai ser fácil e em alguns casos não vai ser confortável, mas precisa ser feito, porque adivinhe: todos se beneficiam. “

Assista ao anúncio da representante de Barbados:

O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

Continua após a publicidade
Publicidade