Dietas restritivas: 6 dúvidas sobre cardápios ricos em proteína e pobres em carboidrato

Todo mundo que quer emagrecer corta pães e massas, conhecidos como vilões da dieta. Mas antes de começar um programa assim, já parou para pensar em como isso afetará o seu organismo? Conheça mais sobre as dietas restritivas e tire suas dúvidas.

Quer emagrecer? Diminuia as quantidades, mas não exclua os carboidratos de dieta.
Foto: Getty Images

1. Por que o corpo precisa de carboidratos?


Os carboidratos são nossa principal fonte de energia
. É desse nutriente que nosso corpo tira o que precisa para suas atividades diárias. Proteínas também podem fornecer energia, mas com menos eficácia. Além disso, o nosso cérebro e nosso coração precisam de glicose para funcionar, e a glicose é mais facilmente encontrada nos carboidratos simples (açúcares) e complexos (massas e pães).


2. Por que é errado eliminar os carboidratos?


Ocorre uma perda de peso, mas não necessariamente de gordura. Quando não recebe os carboidratos e outros nutrientes, o corpo entende que está em perigo e que o alimento é escasso. Ele não sabe se estamos com uma doença grave, perdidos na floresta ou se deixamos de comer de propósito. Então ele passa a economizar energia e entende que precisa guardar a gordura que já tem para não ficar sem combustível. Por isso que no começo se perde bastante peso com essas dietas e depois esse resultado diminui – os pneuzinhos continuam lá! Além disso, quando você voltar aos hábitos normais, pode engordar mais e mais rápido.


3. Comer muita proteína pode fazer mal?


Quando se come proteína demais, o corpo precisa dar conta de digerir essa quantidade maior do nutriente. Ele produz mais ureia e mais amônia e pode deixar a pessoa com mau hálito e até um cheiro ruim no suor. Além disso, dependendo do tipo de carne que a pessoa escolher, o colesterol pode subir.


4. Por que as mulheres sofrem mais consequências com dietas que restringem carboidratos?


As mulheres têm um ciclo hormonal que mexe muito com as emoções. Em uma determinada fase do ciclo menstrual, nosso corpo tende a precisar de mais carboidratos para transformar em serotonina, o hormônio que nos traz bem-estar. Sem carboidrato nenhum, você pode ficar mais irritada, de mau humor e ter aquela vontade absurda de comer chocolate, que nunca fica em um bombom só. Melhor ser menos radical, comer um pouquinho de doce por dia, e evitar os ataques exagerados.


5. Posso deixar de comer carboidratos só à noite?


Também não adianta. Imagine que você come seu último carboidrato no almoço e depois só no café da manhã do outro dia. São cerca de 18 horas sem o nutriente. Quando seu corpo recebê-lo de novo naquele pãozinho da manhã, vai tratar de armazenar a energia toda com medo de ficar sem. O melhor mesmo é moderar as quantidades. Coma pouco, mas não elimine totalmente o carboidrato da refeição noturna.

 
6. Qual o melhor tipo de dieta então? 

É aquela que não tira nenhum nutriente do seu dia a dia. Tem que comer um pouco de tudo, sem exageros. Você pode ingerir mais aveia, pão e arroz integrais, que são boas fontes de fibra, ajudam a diminuir a fome e o intestino a funcionar melhor. Mas não precisa cortar de vez a farinha branca nem a gordura, importante para dar sensação de saciedade também. Basta diminuir as quantidades e mexer o corpo com regularidade para gastar energia.

Fonte: Márcia Daskal, nutricionista da Recomendo Assessoria em Nutrição e Qualidade de Vida, de São Paulo.