Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

“The Morning Show”: Entrevistamos a equipe criativa da série

Conversamos com o diretor de arte e figurinistas da série sobre processo criativo e expectativas da nova temporada

Por Raíssa Basílio
Atualizado em 13 set 2023, 10h36 - Publicado em 13 set 2023, 09h34

The Morning Show, carro-chefe da Apple TV+, retorna hoje (13) para a terceira temporada. A série, uma das primeiras do streaming, é um dos motivos do sucesso da plataforma. A trama, estrelada por Jennifer Aniston e Reese Witherspoon, mostra os bastidores dos programas de uma rede televisiva norte-americana, focando em um jornal matinal que dá nome ao seriado.

Os novos episódios têm um clima mais tenso com um ciberataque à emissora. Nas primeiras temporadas, a UBA, rede do telejornal The Morning Show, enfrentou problemas de audiência, polêmicas com ex-funcionários e má gestão. Agora, há um incômodo com a possível venda da rede televisiva para Paul Marks, um bilionário interpretado por Jon Hamm, uma mistura de Elon Musk com Steve Jobs. Spoiler alert: ele tem tudo para ser um dos personagens mais intrigantes dessa temporada.

Reese Witherspoon e Billy Crudup em
Reese Witherspoon e Billy Crudup em “The Morning Show” (Apple TV+/Divulgação)

Para construir toda a ambientação para o terceiro ano, a equipe técnica responsável pelo design de produção entrou no projeto antes mesmo que o roteiro fosse finalizado. Conversamos com Nelson Coates, diretor de arte do programa, e as figurinistas Sophie de Rakoff e Beth Lancaster, para entender mais sobre o trabalho criativo da série.

Continua após a publicidade

A série, que embarca no competitivo mundo do jornalismo televisivo, requer uma direção de arte meticulosa para criar um ambiente crível e imersivo que reflita a atmosfera dos bastidores da TV. Nelson Coates diz que algumas pessoas chamam sua profissão de cenografia, porque ele é responsável por criar os todos ambientes do programa, conectando os cenários, adereços, figurinos, maquiagem e efeitos especiais, deixando tudo em uma linguagem televisiva. 

“Eu sou uma das primeiras pessoas contratadas pelos produtores e diretor. Neste caso, Mimi Leder, produtora executiva da série de The Morning Show que colabora comigo há anos, me apresentou a ideia da terceira temporada. Antes que tivessem os roteiros, o time me contou o planejamento para os próximos episódios e que esperavam que eu estivesse disponível porque adorariam que eu voltasse ao programa. Eles mencionaram algumas das novas ideias e me deixaram animado para retornar”, conta ele. Nelson voltou, claro!

No caso de The Morning Show, que tem a cidade de NY como plano de fundo, Nelson afirma que é muito importante criar uma conexão entre os bairros e os personagens. Isso faz com que o espectador se sinta mais próximo. “Ninguém vive apenas em espaços vazios. Então, quero que qualquer pessoa que conheça Nova York ou que more em Nova York assista e pense ‘eu compro naquele supermercado, ou eu vou naquela cafeteria’. É uma parte importante da cidade com todos esses pequenos detalhes, que talvez não pareçam relevantes”.

Continua após a publicidade

“Eu coloquei um grande mapa em nossos escritórios com endereços exatos onde imaginei que os nossos personagens moravam. Dessa forma, nosso time de produção poderia traçar cenários, de onde eles treinam, qual caminho fazem para o trabalho e como são suas casas. É uma forma de expandir nossas personagens”, completa. Nesta temporada de Morning Show, vamos conhecer mais sobre a rotina dos protagonistas, com um foco mais pessoal.

Cada decisão de design, desde a escolha de móveis até a seleção das cores, contribui para a caracterização das personagens e desenvolvimento da trama, incorporando profundidade e subtexto às cenas. “Isso tudo tem uma complexidade e garante que o programa tenha um nível de credibilidade em relação ao que está sendo produzido”, completa. 

Exemplificando, Nelson comenta que “no primeiro episódio, você conhece Jon Hamm, que interpreta Paul Marks. Ele tem uma empresa enorme que nunca vimos na série. Então tive que criar a identidade dessa companhia que tem até uma divisão aeroespacial.” O diretor de arte precisou pensar em todos os detalhes, desde o logotipo até o design das naves, que infelizmente não puderam ser feitas em tamanho real. “Você precisa identificar certas coisas para contar a história que deseja”, completa.

Continua após a publicidade

Processo criativo

Mas, afinal, como funciona o processo criativo de um diretor de arte? Se tratando de Coates, ele faz toda uma pesquisa de campo para entrar no projeto e se inspirar. “O que eu faço desde o início é inventar. Fui para Nova York dois meses antes de começar oficialmente a trabalhar, apenas para andar pelas ruas tendo ideias para cenas em potencial, sabendo quais eram nossos personagens, para que eu pudesse ter imagens e ideias desses ambientes e a equipe de roteiristas pudesse incorporá-los na história”, compartilha. Os atores acabam ganhando mais atenção, mas a direção de arte é uma parte muito importante de qualquer produção.

Nelson Coates conta também que o tempo todo está em contato com o roteiro para entender o que mais pode explorar, pois ele precisa ir além do que as palavras expressam. Todo o trabalho de colocar cartazes dos programas da UBA na cidade de Nova York e criar uma narrativa dentro do universo de The Morning Show exige muita atenção. Outro ponto importantíssimo dessa construção é o figurino.

Reese Witherspoon em
Reese Witherspoon em “The Morning Show” (Apple TV+/Divulgação)

A narrativa das roupas

Reese Witherspoon, intérprete de Bradley Jackson, tem uma narrativa toda contada por suas roupas e cabelos ao longo das 3 temporadas. Bradley é apresentada com os cabelos castanhos, roupas bem confortáveis e muito idealismo quando é uma repórter de campo em um cidade pequena. No segundo ano, ela passa a ser âncora de TV em Nova York, fica loira e as roupas vão se tornando mais elegantes. Na nova temporada, temos outra versão da personagem.

“Essas mudanças de estilo é o que nos mantém vivas”, brincam as figurinistas Sophie de Rakoff e Beth Lancaster. “Começamos com Bradley na Virgínia Ocidental [estado dos Estados Unidos] como repórter de campo e agora ela é a âncora do Evening News. Então temos uma trajetória enorme ao longo dessas três temporadas e isso acontece com todos os personagens, estejam eles se elevando ou regredindo. No caso de Bradley, esta temporada é uma questão de se elevar e situar em relação a sua sexualidade. Há essa dualidade dentro dela, com a qual ela agora se sente confortável e está dominando, e também a seriedade de ser uma âncora do noticiário diurno. Ela não está mais fazendo anúncio de cereais matinais, há uma progressão dela e isso se reflete sem suas roupas”, completa Sophie.

Enquanto há essa adaptação na evolução dos roteiros e o desenvolvimento dos personagens, existe também a questão de agregar uma novidade à série. Quando somos apresentados a alguém novo na trama, a leitura visual chega antes de qualquer fala. Isso casa com a inserção de Jon Hamm na série. A primeira cena dele é em uma sauna, então fica difícil fazer projeções sobre ele, o que muda significativamente no caminhar dos episódios. 

Continua após a publicidade
Jon Hamm é um dos novos personagens da terceira temporada de
Jon Hamm é um dos novos personagens da terceira temporada de “The Morning Show” (Apple TV+/Divulgação)

“Jon é incrivelmente colaborativo e muito aberto a tudo o que apresentamos, o personagem dele já vem com certos arquétipos, você sabe o que esperar dele. Quando demos uma olhada nas roupas, decidimos que nada daquilo parecia certo. Continuamos conversando com a equipe e tivemos ideias. Decidimos que este é um homem que gosta muito de atividades ao ar livre, adora trilhas e é um surfista, foi isso que usamos como deixa. Então, fomos atrás de marcas que funcionassem ao ar livre, mas com uma alta qualidade”, conta Beth Lancaster.

“Ele é um viciado em adrenalina e isso se reflete nos negócios, mas a história de fundo, dele ser uma pessoa muito jovem que começou fazendo todas essas aventuras e viagens, é o que nos deixa intrigados a continuar acompanhando-o durante toda essa temporada”, completa Sophie. Jon Hamm é um dos personagens que mais desperta curiosidade nesta temporada. Claro que Jon Hamm sozinho é motivo suficiente para chamar a atenção do público, mas há coisas mais intrigantes na construção de Paul Marks.

Continua após a publicidade

Se você ficou interessada, os dois primeiros episódios da nova temporada de The Morning Show já estão disponíveis na Apple TV+ e você pode acompanhar os demais capítulos liberados semanalmente sempre às quartas-feiras. Caso ainda não conheça a série, é possível assistir as temporadas anteriores também na plataforma da Apple.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.