CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS
Kika Gama Lobo Por Atitude 50 Focada na maturidade como plataforma pessoal, a jornalista Kika Gama Lobo escreve sobre as sensações e barreiras que as mulheres de 50 anos vivenciam

BBB DAS BALZACAS

"Será que ainda acreditamos que os mais velhos não têm capacidade para causar, ousar, amar?", reflete Kika Gama Lobo sobre o reality show

Por Kika Gama Lobo 19 jan 2022, 16h31

Estava pensando na exclusão total de participantes 50+ no atual BBB22. Sinto falta desse cruzamento de gerações. É impensável tratar a maturidade como despedida da cena social ou será que ainda acreditamos que os mais velhos não têm capacidade para causar, ousar, amar?

É necessário que a sociedade brasileira faça essa ponte entre corpos duros, bundas saradas, silicones, megahairs com Viagras, pomadas de estrogênio, antidepressivos e canabidiol.

Os maduros estão liderando uma verdadeira revolução nos costumes. Não somos mais aqueles desdentados de bengala, mijados e deprimidos. Estamos – muitos até quase 90 anos – segurando a onda de uma contemporaneidade avassaladora. Centenários até. Dizem que a pessoa que vai viver 150 anos neste atual mundo já nasceu.

Veja também: Veja todos os participantes que já foram expulsos do Big Brother Brasil

E ainda estamos preocupados com inclusão apenas da moça com vitiligo, do rapaz gay, da moça negra? Isso é muito pouco. Os maduros são a grande revolução da tecnologia e da ciência. Com a pandemia avançamos por demasiado no estudo de células, proteção à vida, imunização para melhor existir além dos grandes saltos que permitiram que os mais velhos fossem os primeiros a se vacinarem, os primeiros a testarem, os primeiros a sobreviverem depois da segunda dose.

Claro que eu não sou Poliana e não estou falando em mundo sem doenças, sem Alzheimer, sem assistência aos prejudicados e anti-blindagem aos maus tratos. Isso está rolando solto e, infelizmente, ceifando vidas, bolsos e corações. Cuidar de um parente senil é uma barra. Exige treino, grana e muita empatia.

Mas se pensarmos, a velhice é algo que chegará para todos. Pretos, deficientes, LGBTQI+, umbandistas, judeus, reacionários, guerrilheiros. A outra opção é bem pior, sabemos. Então, Boninho, ainda dá tempo de colocar na turma Pipoca e na ostentação do Camarote, dois representantes maduros. Vai ser uma pororoca das melhores.

Continua após a publicidade

Publicidade