Alex, de 6 anos, manda carta para Obama buscar menino sírio ferido

"Querido presidente Obama, o senhor se lembra daquele garoto que foi resgatado pela ambulância na síria? O senhor poderia resgatá-lo, e por favor, trazê-lo para a nossa casa?", pediu o garotinho nova-iorquino.

Um garotinho nova-iorquino chamado Alex, de apenas 6 anos, foi capaz de deixar os olhos de Barack Obama marejados, esta semana. O pequeno redigiu uma das mais belas cartas já entregues ao chefe de Estado dos Estados Unidos. 

No texto, um singelo pedido de resgate: ele oferece a sua casa como lar para o menino sírio Omran Daqneesh, de 5 anos, que chocou o mundo, após ser registrado extremamente ferido, logo após ter sido vítima de um bombardeio. 

Leia mais: A dura situação das crianças na guerra da Síria​.

Comovido, o atual presidente americano mostrou a carta aos presentes durante uma conferência da Organização das Nações Unidas (ONU), e compartilhou um vídeo com o próprio Alex a lendo em suas redes sociais. 

“Essas são palavras de um garotinho de apenas 6 anos de idade, e elas nos ensinam muito. A humanidade que uma criança tão jovem nos mostrou ter, que não aprendeu a ser cínico, desconfiado, ou ter medo daqueles que vieram de outros lugares do mundo, por se vestirem de maneira diferente ou pela sua religião”, disse ele em seu discurso.

Veja também: “E se fossem meus filhos?”, Angelina Jolie se emociona ao discursar no campo de refugiados da Jordânia​.

Assista ao vídeo e confira, na íntegra, a tradução da carta: 

“Querido presidente Obama, o senhor se lembra daquele garoto que foi resgatado pela ambulância na síria? O senhor poderia resgatá-lo, e por favor, trazê-lo para a nossa casa? 

Vocês podem estacionar na garagem ou na rua e nós vamos estar esperando vocês com bandeiras, flores e balões. Nós daremos a ele uma família, e ele será nosso irmão mais novo.

Catherine, minha irmãzinha, trará borboletas e vagalumes para ele. Na minha escola, eu tenho um amigo que veio da Síria, Omar. Então, eu o apresentarei a Omar e nós iremos todos brincar juntos. 

Nós podemos convidá-lo para festas de aniversário, e ele irá nos ensinar uma outra língua, a que ele aprendeu em seu país de origem. Se ele não trouxer brinquedos ou não tiver brinquedos, a Catherine certamente emprestará a ele os seus, como o grande coelho azul listrado. 

Eu vou emprestar minha bicicleta e também vou ensiná-lo a andar nela. Eu vou ensiná-lo a fazer continhas de adição e subtração.”

Leia mais: Fotógrafo registra locais precários onde crianças refugiadas dormem​.