Clique e assine com até 75% de desconto

Testes da vacina de Oxford e Astrazeneca contra Covid-19 são suspensos

AstraZeneca, empresa responsável por desenvolver a vacina, tomou a decisão por conta de reações adversas. No Brasil, a FioCruz realiza os testes da vacina

Por Da Redação Atualizado em 8 set 2020, 21h00 - Publicado em 8 set 2020, 20h42

A vacina contra a Covid-19 produzida pela empresa AstraZeneca, em parceria com Universidade de Oxford, está com os testes suspensos. A informação foi divulgada pela empresa nesta terça-feira (8) em um comunicado oficial, no qual a justificativa dada foi a reação adversa da vacina em pacientes do Reino Unido. No Brasil, os testes com a vacina da AstraZeneca são viabilizados por meio de uma parceria com a Fiocruz.

“Esta é uma ação de rotina que deve acontecer sempre que houver uma doença potencialmente inexplicada em um dos ensaios, enquanto ela é investigada, garantindo a manutenção da integridade dos ensaios. Em grandes ensaios, como doenças acontecerão por acaso, mas devem ser revisadas independentemente para verificar isso com cuidado ”, apontou o comunicado.

Desde agosto, nos EUA, a vacina da AstraZeneca está na fase três, sendo que Reino Unido, Brasil e África do Sul já estavam nesta fase anteriormente. Atualmente, há nove vacinas contra a Covid nesta fase etapa, mas a da AstraZeneca é a primeira a ser suspensa.

De acordo com um estudo publicado pela The Lancet em julho, analisando a fase 1/2 , aproximadamente 60% dos 1.000 participantes vacinados tiveram reações, como febre, dores de cabeça e dores musculares, sendo que todas foram classificadas como leves ou moderadas. Ainda segundo a pesquisa, os efeitos colaterais relatados diminuíram com o tempo.

Pesquisadores de todos os estudos acompanham em suas pesquisas se casos semelhantes vão aparecer por meio das informações de um banco de dados inspecionado pelo Conselho de Monitoramento de Dados e Segurança, informou o site STAT. Ainda não há informações de quanto tempo durará a suspensão dos testes da vacina da AstraZeneca.

  • O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

    Continua após a publicidade
    Publicidade