Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Após denúncia de assédio, Rogério Caboclo é suspenso da CBF até 2023

O ex-presidente da entidade é investigado por assédio sexual e moral contra três funcionários

Por Da Redação
Atualizado em 29 set 2021, 18h02 - Publicado em 29 set 2021, 17h53

Após as denúncias de assédio sexual e moral, Rogério Caboclo ficará suspenso da presidência da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) até março de 2023.

Unânime e inédita, a decisão  da Assembleia Geral, composta por presidentes das 27 federações estaduais de futebol, foi definida nesta quarta-feira (29), garantindo que o dirigente continue longo do cargo, do qual se ausentou em junho deste ano.

Ainda há possibilidade de que o investigado retorne à Confederação em março de 2023 para exercer seu último mês de mandato. No entanto, Caboclo ainda tem acusações em análise na Comissão de Ética da CBF e no Ministério Público do Trabalho. Logo, as possibilidades de volta são quase nulas.

“As 27 federações estaduais tiveram acesso a todo o conteúdo do processo. Elas sempre puderam ter ciência do processo, quem tinha dúvida sobre como votar teve a convicção plena de que houve o crime de assédio. Federações e vice-presidentes estão juntos no combate veemente à discriminação e ao assédio. Qualquer tipo de violência tem que ser combatida, especialmente contra a mulher. A CBF neste momento, nesta decisão histórica, mostra que nesta casa isso não pode mais acontecer”, declarou Ednaldo Rodrigues, o novo presidente da entidade.

Relembre o caso

A suspensão de Rogério é referente à denúncia feita pela funcionária da CBF, que relata episódios de assédio sexual, moral e tentativa de coerção feitos pelo dirigente.

Continua após a publicidade

Em seu relato, a funcionária revelou que Caboclo tinha uma série de comportamentos abusivos e invasivos. Ele chegou a perguntar se a vítima se “masturbava” e oferecer um biscoito de cachorro, alegando que a mulher era uma “cadela”.

Após a divulgação do caso, outras duas denúncias também foram registradas na Comissão de Ética. Segundo um diretor da CBF, Rogério obrigou que o mesmo invadisse o computador da funcionária que fez a primeira denúncia. Para o Fantástico, a vítima já havia relatado o mesmo episódio. A terceira vítima denunciou o dirigente por assédio sexual e agressão.

Para o Ministério Público, uma quarta denuncia foi realizada por uma ex-funcionária da Confederação, que acusa Caboclo de assédio durante um voo de trabalho. O investigado não assume a autoria de nenhuma das denúncias.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.