CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Em meio a denúncias de assédio, príncipe Andrew renuncia títulos militares

Enquanto o filho da rainha Elizabeth é investigado por assédio sexual nos EUA, ele devolveu seus títulos e caridades com consentimento da monarca

Por Sarah Catherine Seles 14 jan 2022, 16h44

O palácio de Buckingham anunciou na quinta-feira (13) que o príncipe Andrew teve seus títulos militares e caridades retirados por conta das investigações por assédio sexual. Isso ocorreu um dia depois de um juíz entrar com um processo civil por abuso sexual contra o filho da rainha Elizabeth.

Além disso, segundo uma fonte da realeza à CNN, Andrew deixará de ser chamado de “Vossa Alteza Real” (His Royal Highness”, em inglês), título concedido a alguns membros da família real.

Em entrevista ao veículo, a fonte informou ainda que “todos os papéis do Duque foram retornados à Rainha com efeito imediato para a redistribuição entre os outros membros da Família Real. Para transparência total, não serão devolvidos ao Duque de York”.

Príncipe Andrew
Ele é acusado de ter abusado Virginia entre 1999 e 2001 Mark Cuthbert/UK Press/Getty Images

“Com a aprovação e consentimento da Rainha, as afiliações militares e patronos reais do Duque de York foram devolvidos à monarca. O Duque de York continuará a não performar nenhum dever público e está defendendo este caso como um cidadão privado”, disse o palácio em nota

Nesta semana, na quarta-feira (12), um juiz de Nova York negou uma moção pedida pelo time judicial de Andrew para dispensar um processo civil feito por Virginia Giuffre contra ele. A advogada afirma ter sido traficada pelo empresário condenado Jeffrey Epstein e ainda foi forçada a ter relações sexuais com Andrew, quando tinha apenas 17 anos. 

Continua após a publicidade

A autora da denúncia, acusa o membro real de forçá-la a fazer sexo três vezes entre o período de 1999 e 2002. De acordo com as alegações, a vítima teria sido entregue a Andrew a fim para manter relações sexuais quando ainda era menor de idade. O norte-americano Jeffrey Epstein, acusado de tráfico sexual de menores que suicidou em um presídio de Nova York em 2019, é quem teria sido a ponte entre os dois.

Virginia Roberts Giuffre
Virginia Roberts Giuffre Emily Michot/Miami Herald/Tribune News Service/Getty Images

Para Virgínia, dar o exemplo e ser vocal sobre os crimes é uma forma de inspirar outras mulheres a denunciarem abusos. “Nós precisamos acabar com a cultura de culpar a vítima”, alertou. “É a mesma tática da polícia e os problemas sistêmicos que precisam mudar”, disse.

Aos 61 anos, o príncipe, que está afastado de suas obrigações reais desde 2019 em decorrência das denúncias de participação no esquema ilícito de Epstein, nega as acusações feitas por Giuffre e garantiu que não a conhece.

“Estou responsabilizando o Príncipe Andrew pelo que ele fez comigo. Os poderosos e ricos não estão isentos de serem responsabilizados por suas ações. Espero que outras vítimas vejam que é possível não viver em silêncio e medo, mas sim reclamar a vida falando e exigindo justiça”, afirmou a vítima.

“Eu sei que essa ação me sujeitará a novos ataques do príncipe Andrew e seus substitutos, mas eu sabia que se eu não prosseguisse com essa ação, eu estaria decepcionando eles [minha família] e as vítimas em todos os lugares”, finalizou Virginia.

Continua após a publicidade

Publicidade