CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Em Paris, médico famoso é denunciado por agressão contra mulheres

Segundo uma vítima, o ginecologista Emile Daraï chegou a estourar os pontos de uma cirurgia anterior por conta da agressividade

Por Da Redação 23 set 2021, 19h03

Emile Daraï, chefe do centro de endometriose do Hospital Tenon, em Paris, foi acusado de violência física e verbal por várias pacientes que passaram pelo seu consultório, como conta a rádio Franceinfo

Veja também: Tirar camisinha sem avisar pode se tornar ilegal na Califórnia

Em entrevista para a estação de comunicação francesa, uma vítima revelou que passou por um exame extremamente violento e invasivo a ponto de estourar os pontos de uma cirurgia anterior.

“Senti uma dor extrema, senti que estava sangrando, comecei a me debater e soltei um grito. Ainda sinto no meu corpo uma parte dessa sensação. A gente não esquece esse tipo de coisa”, contou ao jornal. 

Passado um tempo, a paciente, que deixou o consultório extremamente abalada, alertou o Conselho Regional de Medicina e o hospital Tenon onde realizou  o exame, em 2014. 

Continua após a publicidade

“Os gestos do médico são particularmente chocantes e suas práticas deontológicas são questionáveis. Sofro de uma endometriose ginecológica e digestiva e estou habituada a exames vaginais e anais. Nunca recusei esse tipo de gesto sem ter uma boa razão para isso, e estou acostumada à dor que esses exames normalmente provocam. Durante toda minha trajetória de paciente, nada se compara à violência do exame de toque retal imposto pelo doutor Daraï”, contou o ocorrido.

Estudantes presenciaram tudo

Também foi revelado pela reportagem que estudantes presenciaram as violências e denunciaram o ginecologista tempos depois. Uma estudante diz ter visto o médico usar um espéculo para introduzir de forma agressiva em uma vítima. 

“Tive vontade de chorar. Tinha acabado de assistir a um estupro e não disse nada”, revelou uma residente. 

Uma investigação é feita pela APHP, instituição que gere os hospitais públicos de Paris, após cinco acusações recebidas. As buscas terão apoio do hospital Tenon e da faculdade de Medicina da Sorbonne.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade