Homem estuprou enteada de 9 anos e ofereceu dinheiro pelo silêncio dela

O corpo da menina foi encontrado no fundo de um vale, no domingo (21), com marcas no pescoço e indícios de abuso sexual

Sandro de Jesus Machado, de 25 anos, confessou ter matado a enteada Sara Manuela Silva, de nove anos, em Londrina, no norte do Paraná. A Polícia Civil divulgou um vídeo do depoimento do rapaz na segunda-feira (22).

“Eu estuprei ela e dei dinheiro para ela não falar, sabe? Só que aí, depois, ela falou que ia falar com a mãe, entendeu?! Aí eu fui e fiz essa loucura de matar”, disse Machado.

VEJA os assuntos que mais estão bombando nas redes sociais

O corpo da menina foi encontrado no fundo de um vale, no domingo (21), com marcas no pescoço e indícios de abuso sexual, de acordo com a polícia. No sábado anterior, o padrasto havia registrado um Boletim de Ocorrência (B.O.) informando que a menina havia desaparecido enquanto ele tomava banho. Machado foi preso quando alguns moradores tentavam agredi-lo.

No depoimento, o rapaz confessou que matou a menina, enforcando-a com as mãos, e afirmou que tentou oferecer R$ 5 para que a vítima não contasse que havia sido estuprada. A polícia afirma que uma nota de cinco reais foi encontrada nas mãos da menina.

Sara Manuela Silva Sara Manuela Silva, de nove anos, foi estuprada e morta pelo padrasto

Sara Manuela Silva, de nove anos, foi estuprada e morta pelo padrasto (RPC/Reprodução)

“Ela tinha saído com esse dinheiro de dentro de casa. Entendeu? Aí, chegou lá, eu fui e dei mais cinco reais para ela. Só que aí ela não quis. Que ela já estava com o outro cinco na mão. Para ela não falar, sabe?! Só que ela falou que ia falar com a mãe, sim. Eu fiquei com medo das consequências, aí já em excesso de drogas, aí fiz a loucura de fazer aquilo”, disse o padrasto ao depor.

Machado ainda afirmou ter se arrependido do crime. “Eu sou um cara trabalhador, eu nunca fiz isso, assim, com ninguém, entendeu?! Eu peguei ela para criar desde novinha. Eu estou muito arrependido do que eu fiz de minha vida. Eu basicamente, destruí minha vida”, disse.

Versão anterior

Antes de confessar o crime, Machado havia falado à polícia, para registro do B.O., que ele e a menina foram visitar uma pessoa por volta das 9h de sábado e voltaram para casa uma hora depois. Ele contou que, ao chegar em casa, foi tomar banho e deixou a criança na sala, assistindo televisão. Após isso, não tinha visto mais a enteada.

O B.O. ainda descreve que o padrasto e um primo dele procuraram a vítima e que algumas pessoas disseram que viram um carro preto com uma garota dentro pedindo socorro.

No entanto, na manhã de domingo (21), a Polícia Militar foi chamada para ir até a residência do padrasto, porque ele tinha contado que tinha sido responsável pela morte da menina e que estava sendo ameaçado por outras pessoas.

Ainda segundo a PM, uma pessoa contou que viu Machado indo com a menina em direção ao fundo do vale onde ela foi encontrada no sábado.

A Polícia Civil informou que o rapaz ainda não possui advogado constituído. O delegado-chefe Osmir Ferreira Neves afirmou ainda que o padrasto deve ser indiciado por estupro de vulnerável e feminicídio.

Leia também: Homem que ateou fogo e trancou mulher em quarto por 17 horas é preso

+ Filha nasce com volume na cabeça e pai a enterra viva

Relacionamento abusivo: saiba se você está em um no podcast Senta Lá, CLAUDIA