Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Consciência social: 4 livros essenciais para iniciar o letramento racial

Obras reúnem reflexões indispensáveis para a conscientização sobre questões de raça, economia e gênero. Confira a lista

Por Sarah Brito
Atualizado em 4 abr 2024, 12h24 - Publicado em 4 abr 2024, 10h00

Presente em boa parte das pesquisas sobre desigualdade racial e de gênero no mundo, o Brasil ainda é uma das nações que possui baixo índice de conscientização e estudo sobre letramento racial individual.  

Segundo pesquisas realizadas pelo instituto de Inteligência em Pesquisa e Consultoria Estratégica do Brasil (Ipec), mais da metade dos brasileiros já presenciaram algum ato ou fala racista em ambientes de convivência, além de que 60% dos entrevistados acreditam viver em um país racista.*

Mesmo com características que impedem a ascensão de uma comunidade que luta incansavelmente contra estigmas e preconceitos, o estudo e a conscientização sobre esses atos se tornam cada vez mais indispensáveis para manter comportamentos antirracistas e intoleráveis para o preconceito. 

Aqui, separamos 4 livros essenciais para você entender o que é racismo e como se tornar um aliado contra o preconceito e a violência racial. Confira a lista: 

Continua após a publicidade

Pequeno Manual Antirracista, de Djamila Ribeiro

Pequeno manual antirracista

Livros para iniciar o letramento racial - vitrine

Nesta obra, a filósofa e escritora, Djamila Ribeiro, discute e dialoga com o leitor numa profunda reflexão sobre como o racismo estrutural impõe questões complexas e extremamente desiguais para os mais de 55,5% brasileiros que se consideram negros em todo o país, segundo dados do IBGE divulgados no último índice realizado em 2022.

Com desafios enriquecedores sobre o combate ao crime de ódio racial, esta obra se torna um pontapé inicial mais que essencial para esta jornada enriquecedora sobre como se tornar não apenas um antirracista reflexivo, mas também praticante.

Continua após a publicidade

O Genocídio do Negro Brasileiro, de Abdias Nascimento

O Genocídio do negro brasileiro

Livros para iniciar o letramento racial - vitrine

Registrando suas reflexões sobre como a comunidade negra sofre diariamente com a violência e discriminação racial no Brasil, o poeta e dramaturgo Abdias do Nascimento é incisivo e realista sobre como a opressão e marginalização dos corpos pretos brasileiros é considerado um dos genocídios mais brutais dos últimos séculos. 

Com dados precisos e relatos pessoais capazes de ampliar a capacidade individual de cada leitor, Abdias não poupa esforços para ser tornar essencial em sua lista de livros. 

Continua após a publicidade

Racismo, Sexismo e Desigualdade no Brasil, de Sueli Carneiro

Racismo, Sexismo e Desigualdade no Brasil

Livros para iniciar o letramento racial - vitrine

Promovendo um recorte realista sobre as mulheres negras no país, Sueli Carneiro oferece uma análise crítica às formas como o sexismo e o racismo se entrelaçam ao longo dos anos de construção social do Brasil, em que a desigualdade estrutural e machismo se tornam imensas problemáticas.

Suas análises inserem relatos e ensaios pessoais marcantes, além de refletir sobre a invisibilidade de gênero perante a comunidade feminina negra em ambientes de trabalho, política e arte.

Continua após a publicidade

Quarto de Despejo, de Carolina Maria de Jesus

Obra referência em retratos das comunidades periféricas do país, a emblemática escrita da autora paulista Carolina de Jesus é avassaladoramente atemporal em todos os aspectos sociais e literários de um Brasil que marginaliza suas favelas e seus moradores.

Narrando de maneira vívida e direta o dia a dia de uma dona de casa moradora do que foi uma das maiores favelas do país, a extinta comunidade do Canindé, em São Paulo, Dona Carolina destaca a resiliência e a luta contra a pobreza extrema, a falta de recursos básicos no dia a dia e o enfrentamento das consequências de uma sociedade desigual e amplamente racista do século XX.

Continua após a publicidade

Reflexão e conscientização gera atos de respeito eficazes contra o racismo. Como já dizia a escritora estadunidense Angela Davis, “Numa sociedade racista, não basta não ser racista, é necessário ser antirracista”.

*Pesquisa encomendada pelo Instituto de Referência Negra Peregum e pelo Projeto Seta (Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista). Divulgação: Agosto de 2023.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.