CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Patrícia Poeta fala sobre trabalho e relação com o filho

A jornalista ícone fashion do jornalismo da Rede Globo abriu o jogo em entrevista ao programa TV Xuxa

Por Redação M de Mulher Atualizado em 21 jan 2020, 08h46 - Publicado em 13 abr 2009, 21h00

Xuxa e Patrícia Poeta se divertiram durante a gravação do TV Xuxa
Foto: AgNews

Patrícia Poeta foi a entrevistada de Xuxa no programa TV Xuxa, gravado no dia 2 e previsto para ir ao ar no sábado 25, no quadro Papo X. Muito simpática e visivelmente tímida, a âncora do Fantástico contou que tenta controlar a emoção diante de reportagens dramáticas, como o caso Isabella Nardoni.

Primeira jornalista a entrevistar Ana Carolina, mãe da menina jogada da janela do edifício em que moravam o pai e a madrasta, supostos assassinos, Patrícia contou que ao chegar em casa, extravasou a emoção. “No momento da entrevista não posso me emocionar porque o foco é o entrevistado. Mas confesso que ao chegar em casa, dei um longo abraço no meu filho e tive uma crise de choro enquanto tomava banho. Afinal, também sou mãe e estava diante de uma pessoa que perdeu a única filha de maneira trágica. A entrevista é o espaço do entrevistado e não o meu”, declarou a morena, que não economiza sorrisos para falar de Felipe, de 6 anos, seu único filho.

“Ser mãe é maravilhoso. Quando ele diz ‘Mamãe, eu te amo’, é a coisa mais linda de se ouvir”, declara a gaúcha, de 32 anos. Minha Novela foi à gravação do programa e acompanhou tudo o que rolou durante a entrevista. Confira:

Você diz que hoje é tímida, que fala pouco, mas que na infância era uma tagarela…
Quando eu era pequena, chegava em casa e tinha necessidade de relatar o meu dia inteiro. Tanto que a minha família tinha que pedir que eu ficasse quieta senão mais ninguém conseguia falar. Com o tempo a gente vai ficando mais velha, mais relaxada… Sou tímida, mas no trabalho me transformo, porque amo o que faço.

Continua após a publicidade

Como faz para conciliar trabalho e maternidade?
Sou louca pelo meu filho. O apelido dele é pipoca porque não para um só instante, vive pulando. Toda segunda-feira vou à escola dele para almoçarmos juntos. Como trabalho muito aos domingos, segunda-feira é o meu final de semana com ele. Acordo às 6h e começo a agitar. Ser mãe é a coisa mais maravilhosa do mundo. Digo que ele é meu companheirinho, meu presente de Deus. Ele diz que me ama mais que o infinito (Nesse momento, Patrícia não consegue esconder a emoção). Procuro sempre ajudá-lo a fazer o dever de casa. E, quando ele tem dificuldade, digo que vamos conseguir juntos.

Você e o Zeca Camargo parecem bem entrosados…
É um prazer trabalhar com ele. Uma pessoa que, além de inteligente, tem uma sintonia muito grande comigo. A gente se entende só no olhar. Quantas vezes eu chego perto dele para falar alguma coisa e ele consegue adivinhar o que eu iria dizer. Zeca não é um colega de trabalho que se tornou meu amigo, ele é um amigo que se tornou meu colega de trabalho.

É verdade que você é uma das pessoas que mais recebem cartas na Globo elogiando seu figurino?
Pois é… As roupas que uso no Fantástico foram uma surpresa, porque uso o que me cai bem e não porque está na moda.

Algum item fica de fora de seu vestuário?
Os terninhos. No meu guarda-roupa eles não entram de jeito nenhum (risos). Já usei muito, quando eu era a moça do tempo. Eles me acompanhavam porque passam credibilidade. Hoje em dia não tenho mais nenhum, dei todos para as minhas amigas.

E tem alguma peça que você evita usar?
Calça comprida. Evito usar porque tenho perna muito grossa. Acho que não fica muito bem em mim.

Quando o assunto é moda, o que faz você gastar dinheiro?
Não sou consumista compulsiva, mas devo admitir que sou louca por cintos e bolsas. Não posso ver que já fico doida para comprar (risos).

Continua após a publicidade

Publicidade