Clique e assine Claudia a partir de R$ 5,90/mês

Celebridades chegam de máscara ao Festival de Cinema de Veneza

Além do uso obrigatório da peça, um muro foi construído entre o tapete vermelho e o público para evitar tumultos

Por Da Redação - Atualizado em 4 set 2020, 15h05 - Publicado em 4 set 2020, 15h00

Conforme o esperado por conta da pandemia, a edição deste ano do tradicional Festival de Cinema de Veneza, que começou na quarta-feira (2) e vai até 12 de setembro, precisou ser adaptada para evitar propagação do vírus. Desde o início da crise sanitária, esse é o primeiro grande evento a acontecer na Europa, por isso o mundo todo está atento aos protocolos de saúde que serão adotados.

Os convidados para o evento chegarão usando máscaras, peça obrigatória em todas as áreas da celebração. Além disso, haverá checagem de temperatura, uso mandatório de álcool gel, além de recomendações de distanciamento físico durante as projeções. Para evitar aglomeração do público, como costuma acontecer no festival, uma parede foi construída em torno do tapete vermelho, estampando a frase: “Fique longe. Não há nada para ver aqui.”

A atriz Tilda Swinton e o diretor Pedro Almodovar comparecem ao Festival de Cinema de Veneza, na quinta-feira (3) P. Lehman/Barcroft Media/Getty Images

Em comunicado online, Roberto Cicutto, presidente da La Biennale di Venezia, organizadora do evento, afirmou que eles não estão “orgulhosos de serem os primeiros depois da pausa forçada.” Porém, estão satisfeitos por “ter mostrado que isso pode ser feito, colocando em prática todas as medidas de segurança, e apresentando um programa que não perde para os de anos anteriores.”

A artiz Ana Foglietta sendo fotografada à distancia Franco Origlia / Colaborador/Getty Images

Com um público menor do que o de anos anteriores, as celebridades tiveram mais tranquilidade ao posar para fotos no tapete vermelho. No local, boa parte foi clicada sem máscara. A atriz Tilda Swinton chegou à cidade italiana usando a máscara e fez uma homenagem ao ator Chadwick Boseman, que morreu vítima de um câncer na sexta-feira passada (28).

Foto: Pascal Le Segretain/Getty Images

No palco da cerimônia, o diretor artístico do Festival, Alberto Barberá, demonstrou preocupação com o futuro do cinema. “A sensação de assistir a um filme na tela grande com outras pessoas está na própria natureza da indústria cinematográfica”, disse ele

O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

Continua após a publicidade
Publicidade