Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

A apresentação da Kesha foi a melhor coisa do Grammy 2018

A cantora subiu ao palco do Grammy Awards para uma performance linda e necessária. Assista.

Por Lucas Castilho - Atualizado em 17 jan 2020, 09h48 - Publicado em 29 jan 2018, 08h12

Bruno Mars pode até ter saído do Grammy Awards 2018 como o grande vencedor, mas, bem, no último domingo (28), em Nova York, quem roubou a cena mesmo foi Kesha.

Numa noite, mais uma vez, marcada por vitórias masculinas, a cantora subiu ao palco para cantar cercada de outras cantoras inspiradoras. Ao lado de Cindy Lauper, Camila Cabello, Bebe Rexha, Julia Michaels, Andra Dray, além do The Resistance Revival Chorus, a artista performou “Praying”.

Importante, a canção fala sobre perdão, sobre encontrar força quando você achava que tudo estava perdido e sobre se reerguer. Escrita originalmente como forma de desabafo, após uma midiática batalha judicial contra Dr. Luke, produtor que Kesha afirma ter estuprado e assediado ela por anos, no palco, a canção ganhou um novo significado.

Em tempos de #TimesUp e #MeToo, o que foi visto ali foram várias mulheres incríveis juntas em solidariedade. Foi quase como se elas dissessem, “ei, você não está sozinha, não tenha medo. O tempo deles chegou”.

Kesha, Cindy Lauper, Camila Cabello, e Andra Day no Grammy 2018
Bebe Rexha, Kesha, Cindy Lauper, Camila Cabello, Andra Day e Julia Michaels no Grammy 2018 Christopher Polk/Getty Images

Claro, a raiva é necessária e pode, sim, ser libertadora, mas Kesha preferiu cantar sobre o amor, sobre união. Ela pode não ter levado nenhum Grammy para casa – perdeu para Ed Sheeran -, mas ganhou a noite. Um exemplo de superação, um verdadeiro comeback.

Na música ela diz, “quando eu terminar, ninguém vai saber o seu nome”. Ninguém mesmo. Mas todos vão saber quem é Kesha, porque, ontem, ela foi a voz de milhares de mulheres, milhares de vítimas de abusos.

Assista ao momento

https://www.youtube.com/watch?v=2AzYkNtyZKY

Continua após a publicidade
Publicidade