CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS
Rachel Jordan Referência no mercado de consultoria de imagem, Rachel Jordan é especialista em comportamento profissional e atua como consultora, mentora e palestrante para empresas e pessoas que desejam desenvolver suas habilidades emocionais e alavancar a carreira. Co-autora do Livro À Sua Moda – 4Talks, Rachel também ministra cursos e workshops na área

O poder dos influenciadores digitais no mercado de trabalho brasileiro

Em 2021 o Brasil foi o país que mais impactou os consumidores por meio de influenciadores

Por Rachel Jordan 8 jun 2022, 09h37

Desde que as redes sociais entraram em nossas vidas como um dos produtos mais impactantes da revolução tecnológica, experimentamos uma profunda mudança de valores e de comportamento social em todo o planeta. O mundo digital, e muito do que gira em torno dele, se transformou em sinônimo de modelo de negócio em diferentes esferas. 

Atualmente, assistimos a uma forte tendência digital que vem impactando a vida de milhares de pessoas mundo afora: o vertiginoso crescimento dos influenciadores digitais. Pessoas, famosas ou anônimas, que conseguem influenciar a vida de milhões de indivíduos com suas palavras, opiniões e comportamento por meio das redes. 

O movimento, que começou a ganhar força a partir de 2016, parece ter atingido seu ápice no atual momento. No Brasil, ser influencer digital vem se tornando um dos principais propósitos de vida de muitas pessoas, especialmente das (dos) mais jovens. 

De acordo um estudo da empresa de dados e informação Nielsen, o número de influenciadores digitais no Brasil, mesmo não sendo uma profissão regulamentada, já ultrapassou a marca de 500 mil. Esse patamar é mais alto do que o de dentistas, 374 mil, segundo dados do Conselho Federal de Odontologia (CFO), e praticamente igual ao de médicos registrados no Conselho Federal de Medicina (CFM), 502 mil. 

A explicação possível para tamanho interesse por essa nova modalidade de trabalho é o alto retorno econômico obtido por alguns influenciadores, além do fato de transformar pessoas comuns em celebridade digital num piscar de olhos, dependendo da performance nas redes.

Um levantamento feito pela pesquisadora Elizabeth Saad, da USP, revelou que em 2021 o Brasil foi o país que mais impactou os consumidores por meio de influenciadores. Antes, a China era a primeira do ranking. O estudo mostra ainda que 40% dos consumidores brasileiros já foram impactados por um influencer digital no momento de fazer uma compra. 

A verdade é que as pessoas parecem estar hipnotizadas por essa onda que vem sendo vista como solução de vida para muitas (os). Se durante gerações seguidas fomos educados para estudar, com o objetivo de ter uma profissão, e com isso ascender social e economicamente, hoje a realidade parece ser bem diferente. 

Ser influencer digital é, de fato, a melhor alternativa profissional do momento? Traz o sonhado retorno financeiro para todos? A resposta parece clara, não é minha gente? Ninguém discute que existe, sim, uma fatia de influenciadores digitais que está se tornando milionária com essa atividade digital. 

No entanto, quando migramos para a vida real, sabemos que essa não é a realidade vivida pela maioria dos influenciadores. Até porque as pessoas parecem se esquecer de que para se tornar uma (um) influencer digital de sucesso é preciso ter conteúdo consistente, dominar o assunto do qual está falando, ter voz alinhada com o interesse de seu público-alvo, ser carismática (o) e, acima de tudo, ter uma estratégia eficaz e muito bem planejada.

Não duvido que muitos influenciadores tenham o interesse real de motivar pessoas, de transformar vidas e ser ícone em sua área de atuação. Mas, diante do histórico de influencers digitais que estão se tornando milionários, muita gente tem focado apenas no retorno financeiro que podem obter para atingir outro patamar em sua história de vida. 

As fotos de viagens em lugares sonhados, iates, restaurantes caros, carros e casas espetaculares, além de roupas de marcas, todo esse universo têm fascinado aquelas (es) que sonham com o estilo de vida desses privilegiados digitais. 

Continua após a publicidade

A grande questão é: em um mercado altamente concorrido como esse, a equação é tão simples assim? Como em todas as carreiras, sabemos que não. Nada é tão fácil quanto pode parecer. Claro que para toda regra existe uma exceção.

Enquanto para poucos o sucesso chega de forma inesperada, após um post ou vídeo que viraliza, para a grande maioria é preciso suar a camisa para se transformar num influenciador reconhecido pela audiência, e, principalmente, pelas marcas para transformar sua iniciativa num case de sucesso. 

Ninguém nega que seja tentador obter um faturamento que pode variar de R$ 20 mil a R$ 500 mil mensais, de acordo com números divulgados sobre pequenos, médios e grandes influenciadores. Sem contar as megas celebridades que atingem valores muito superiores a estes números em poucos posts. Mas, como já mencionei acima, é preciso ter os pés na realidade.

Primeiro entender que o mercado de digital influencer vem se especializando e está altamente profissional. O tempo em que um influenciador fazia um post simples, deitado em sua cama, e ganhava centenas de curtidas parecem estar ficando cada vez mais para trás. Hoje é preciso planejar cada estratégia. Ter um número expressivo de seguidores não é mais suficiente. 

É cada vez maior o contingente de empresas especializadas em criar ações que atendam às marcas com um time de digital influencers que supra as suas necessidades. Ou seja, é preciso cada vez mais estar preparada (o) e ter conhecimento do que está falando, além de passar verdade e autenticidade para seus seguidores. 

Com o propósito de contribuir com dicas que ajudem você a se tornar uma (um) influencer digital bem-sucedida(o), selecionei as dicas abaixo:

Credibilidade – Para conquistar credibilidade entre os seguidores e as marcas, você precisa ter propriedade sobre o tema que deseja abordar. Como pretende falar de gastronomia se não tem qualquer familiaridade com o assunto? Faça um planejamento, identifique as características de seu público, adquirida conhecimento, estude o mercado, pesquise seus concorrentes e seja verdadeiro. Esse é um bom caminho para começar a pôr em prática sua estratégia e atingir seu propósito. 

Dedicação – Ser influencer digital significa abrir a porta da sua vida e mostrar quem você é de verdade, estar presente na vida de sua audiência, impactar e fazer a diferença. E colocar isso em prática significa se dedicar e, muitas vezes, abrir mão de inúmeras questões do seu cotidiano para atender às expectativas e conquistar seus objetivos. 

Valores e objetivos – Se seu objetivo é se tornar uma (um) influencer relevante e que chame atenção das marcas, de olho na monetização, não se esqueça de que as empresas privilegiam influenciadores alinhados com seus valores e propósitos. Pense nisso ao montar sua estratégia focando exatamente no público e nas marcas que deseja atingir. 

Primeiros passos – Alguns cuidados são essenciais para começar a dar os primeiros passos. Escolher a rede que mais se afine com o seu objetivo como influencer, fazer uma bio, ou seja, uma descrição que seja fiel ao que você é ao que pode oferecer. Avalie quem são seus seguidores por gênero, idade, estilo de vida e interesses. Pesquisas indicam que 52% dos internautas brasileiros tem pelo menos um influenciador para chamar de seu. As mulheres são maioria entre os seguidores.  

 

Continua após a publicidade

Publicidade