Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Sofia Menegon

Sofia Menegon é feminista, idealizadora da podcast Louva a Deusa e consultora em relacionamento e sexualidade
Continua após publicidade

Meu primeiro mês do orgulho com uma mulher

A sexualidade, como todas as coisas na vida, não é linear

Por Sofia Menegon
13 jun 2023, 15h38

Esse é o meu primeiro Mês do Orgulho namorando uma mulher. Com certeza já passei vários deles desejando estar com uma mulher, apaixonada por uma mulher, interessada em uma mulher. Mas namorando, não. E isso talvez pareça pouco relevante e sem importância para quem lê. Para a Sofia que escreve, não. Para mim, viver isso tudo com Julia é significativo demais.

E não é significativo só porque Julia é uma mulher. Mas é também. Durante quase 30 anos da minha vida, me senti desajustada. Não servia à heteronormatividade, mas também não parecia suficientemente parte do acrônimo LGBTQIAPN+, que dirá de uma comunidade.

A menina hétero demais para ser bi e bi demais para ser hétero. Bi festinha, bi de balada, aquela amiga que as amigas beijam. A descolada que pegava meninas. A esquisita que se aproveitava das mulheres, mas só namorava homens. Insensível, confusa, promíscua, aparecida, covarde.

E eu fui mesmo insensível. Fui insensível com a minha primeira namorada porque eu não sabia lidar com tanto afeto. Fui insensível comigo por me cobrar severamente para atender as expectativas que não eram minhas. Fui confusa também. Ainda sou.

Em um mundo tão monossexista, é quase impossível não viver questionando uma sexualidade que fuja a norma. Tem dias em que tenho certeza de que sou lésbica. Houve um tempo em que tive certeza de ser hétero. É confuso, porque olhar para si é confuso. Olhar para si em relação ao outro, nem se fale.

Continua após a publicidade

Entretanto, parece que eu preciso sempre fazer uma escolha por qualquer sexualidade que não seja a minha. Satisfazer uma necessidade binária por categorizar tudo, inclusive pessoas, em uma ou outra caixinha. Aquietar a fobia que se tem daquilo que não se consegue compreender. Uma tentativa legítima, genuína e muito humana de fazer-se caber para ser aceita.

“Mas sexualidade, como todas as coisas na vida, não é linear. A gente não nasce sabendo e é muito raro manter uma convicção inabalável, a menos que você seja completamente homofóbico e, aí, as questões são outras.”

Sofia Menegon

Eu sou também promíscua quando quero, aparecida quando dá vontade e covarde quando não vejo outra saída. Porque, acima de tudo, eu sou exageradamente humana.

Humana no meu não saber que conflita o tempo todo com a minha vontade egóica de querer saber de tudo. Humana em não saber o que quero, tendo a mais plena certeza das bases que me alicerçam. Humana em desejar amar e ser amada.

Continua após a publicidade
Apagamento da bissexualidade acarreta em dificuldade de afeto e baixa autoestima entre pessoas LGBTQIAPN+.
Apagamento da bissexualidade acarreta em dificuldade de afeto e baixa autoestima entre pessoas LGBTQIAPN+. (Vladimir Vladimirov (Getty)/Reprodução)

Para que eu pudesse viver esse mês do orgulho com Julia, eu precisei antes acreditar que podia viver o mês do orgulho com Sofia.

E para ser uma Sofia que levanta bem alto a bandeira bissexual, eu precisei antes ser a bi de balada, a hétero flexível, aquela que beija as amigas. Antes de poder ser a Sofia que ama Julia, eu precisei poder ser a Sofia que ama e ponto. 

Eu não sei se é sobre poder amar quem a gente quiser, sabe? Acho que, acima de tudo, é sobre poder amar a gente. A gente que não se ajusta porque prefere andar pela vida assim, desajustada, leve, solta.

Continua após a publicidade

Feliz NOSSO mês!

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.