A ordem do nascimento dos filhos pode influenciar na escolha de suas carreiras, diz pesquisa

Estudo realizado por pesquisadora da USP mostra quais são as profissões mais propícias para o caçula, filho do meio ou mais velho. Confira!

Diante da multiplicação de cursos e das dificuldades do mercado de trabalho, os jovens se perdem e se angustiam na hora da escolha da profissão. As exigências não são poucas: descobrir algo que goste, que dê dinheiro e que tenha futuro. De acordo com o estudo, “Ordem de nascimento e decisões de carreira: um diálogo entre a psicologia individual e as carreiras contemporâneas”, realizado pela pesquisadora da USP e Mestre em Ciência Graziela Dias, a ordem de nascimento na família, tanto cronológica como psicológica, que seria como a pessoa percebe a sua posição na família, pode determinar quais serão as suas escolhas e quais serão os seus objetivos durante a carreira.

Para completar a pesquisa, 279 pessoas, todas com pelo menos 15 anos de experiência profissional e nível superior completo, foram ouvidas. O resultado revela: alguns jovens se preocupam, ainda, em escolher uma profissão que agrade aos pais e o filho mais velho é o que mais enfrenta esta questão.

Filho mais velho

De acordo com a análise, desde o nascimento, o filho mais velho recebe total atenção dos pais e, em geral, excesso de mimos. Quando nasce o segundo filho, ele perde este posto. Para tentar recuperá-lo, passa, então, a agir como ‘eu sou o filho que faz tudo o que vocês querem. Por isso, no futuro, o filho mais velho tenderá a ter um comportamento mais conservador e optará por carreiras mais tradicionais, como medicina, direito, engenharia e administração. Ele costuma escolher, inclusive, as mesmas profissões dos pais. O filho único tende a seguir este mesmo padrão.

Filho do meio

Na hora de escolher a carreira, o filho do meio mostra a ser o mais “rebelde”. Ele sente a necessidade de ser diferente do irmão, deseja fazer algo novo e mais descontraído. No geral, os filhos do meio escolhem profissões na área de humanas ou sociais, como publicidade, jornalismo, pedagogia e história. Além disto, eles não se preocupam tanto por no futuro receberem prestígio por ocuparem cargos de responsabilidade. 

Filho caçula

A pesquisa mostra que o filho caçula tende a optar por áreas biológicas ou exatas. Ele seguirá o padrão do filho mais velho, já que quando nasce, recebe mimos dos pais e dos irmãos. Por viver em uma atmosfera mais amorosa, o filho mais novo busca também áreas ligadas à saúde, como odontologia e biomedicina. 

Ajude seu filho a escolher a profissão 

Se quer evitar que seu rebento tome uma decisão apressada só para agradar em casa, controle a ansiedade. A sua e a dele. Ajuda se você se conscientizar de que nenhuma opção profissional precisa ser definitiva. O psicoterapeuta Leo Fraiman, da Teenager Assessoria Profissional, propõe sete questões para você levantar com seu filho antes do vestibular.*

1. O que faz o profissional da área desejada?

2. Com quantas disciplinas do curso se identifica?

3. Ele conhece e aprecia as várias ocupações ligadas a essa carreira?

4. O estilo de vida desses profissionais tem a ver com ele?

5. Como está o mercado hoje e quais as perspectivas?

6. Como é o ambiente de trabalho?

7. É possível assistir às aulas do curso ambicionado? Se sim, que seu garoto avalie as impressões com honestidade.

 

* Matéria com conteúdo da revista CLAUDIA