Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Saúde íntima: precisamos falar a respeito

Conheça a campanha Intensivão da PPK, que estimula a conversa aberta e ajuda mulheres a entender como cuidar ainda melhor do seu corpo

Por Abril Branded Content Atualizado em 22 mar 2021, 11h55 - Publicado em 22 mar 2021, 11h20

Informação e diálogo são as chaves para prevenir e resolver problemas, e com a saúde íntima feminina não é diferente. Mas, apesar de já estarmos em 2021, muitas mulheres ainda têm vergonha de falar a respeito. “Infelizmente o corpo feminino ainda está permeado de tabus que restringem as conversas e nos privam de informações valiosas. O tema higiene íntima, por exemplo, ainda é cercado de preconceitos. Muitas mulheres têm dificuldade de entender que a vagina tem cheiro ou de lidar com o próprio corrimento. Isso faz com que muitas lavem excessivamente a região genital, alterando seu pH e a flora vaginal que são essenciais para manter o equilíbrio da vagina e nos proteger de infecções”, explica a dra. Cidinha Ikegiri, médica especialista em ginecologia e obstetrícia. Entre os tabus recorrentes estão as doenças causadas, muitas vezes, por falta de conhecimento. A candidíase é uma delas. Segundo uma pesquisa feita pelo Ibope em parceria com a Bayer, 52% das mulheres brasileiras já tiveram infecção genital pelo menos uma vez na vida. Se considerarmos a subnotificação pelo fator “vergonha”, existe a possibilidade de esses números serem ainda maiores. E é exatamente por isso que precisamos falar sobre o tema!

Candidíase: um problema comum

A candidíase é uma infecção da vulva e da vagina causada pelo fungo Candida albicans, que vive normalmente no organismo sem provocar doenças, mas, em situações de desequilíbrio, como diante de estresse ou enfraquecimento do sistema imune, ele se prolifera e passa a ser prejudicial para o corpo.

De acordo com a médica, estima-se que 75% das mulheres em idade reprodutiva terão um episódio de candidíase em algum momento da vida.  50% delas, mais de um e 5% delas, episódios recorrentes (quatro ou mais vezes por ano). “Entre as causas da candidíase estão o uso de algumas medicações, como antibióticos, ou a lavagem íntima excessiva ou inadequada, que provocam o desequilíbrio do ecossistema vaginal e fazem com que os fungos que causam a candidíase se multipliquem. Diabetes, anticoncepcionais com altas doses de estrogênio e o uso de roupas de banho molhadas por períodos prolongados ou roupas muito apertadas também podem levar ao desenvolvimento da candidíase”, explica Ikegiri.

Entre os sinais da candidíase – bem desagradáveis – estão coceira, corrimento com aspecto de “leite coalhado”, desconforto, ardência, inchaço na vulva e dores durante a relação sexual e para urinar. “No tratamento são usados antifúngicos. Mas é importante consultar um médico ginecologista de confiança para se certificar do diagnóstico”, alerta a médica. Para prevenir a candidíase, a ginecologista aconselha a adoção de um estilo de vida saudável. “Controle o estresse, mantenha os níveis glicêmicos adequados, evite o consumo excessivo de carboidratos e o tabagismo e cuide da sua higiene íntima”, conclui.

Intensivão da PPK: vamos falar sobre a saúde íntima feminina?

Para estimular a conversa aberta e ajudar as mulheres a entender como cuidar da sua higiene íntima, a marca Gino-Canesten® lança no TikTok a campanha Intensivão da PPK. Trata-se de uma espécie de escola virtual na qual influenciadoras e especialistas dão aulas sobre saúde íntima e esclarecem dúvidas comuns entre as mulheres. “Infelizmente a saúde íntima ainda é um tabu na nossa sociedade, as pessoas crescem com acesso mínimo ou nenhum a essas informações. Falta conhecimento básico, o que faz uma diferença gigante na vida e na saúde da população”, explica Claudia Milan, fisioterapeuta pélvica especialista em saúde da mulher pela PUC-Campinas e uma das participantes do Intensivão da PPK.

Continua após a publicidade

Com aulas organizadas por “matérias”, o conteúdo abrange temas como cuidados com a saúde íntima, candidíase, infecções genitais, dicas de prevenção e autocuidado, entre outros. “Os materiais são entregues de forma leve, para quebrarmos os tabus que rondam a temática e incentivarmos discussões sobre o assunto. Ao difundirmos esse conhecimento, não estamos apenas favorecendo o aprendizado de alguém, mas também contribuindo para que aquela pessoa leve a mensagem adiante, para as próximas gerações. Dessa forma perpetuamos a ideia de que devemos falar sobre saúde íntima e não há nada de errado nisso”, diz a fisioterapeuta.

Fim do desconforto

Aliado das mulheres no tratamento da infecção vaginal, Gino-Canesten® possui uma linha de tratamento para a candidíase.

Seu princípio ativo é o clotrimazol, um componente utilizado nos tratamentos de fungos. Disponível em formato de:

– comprimido vaginal, que trata a candidíase com apenas uma aplicação;
– creme vaginal, com tratamento de três ou seis dias, que proporciona o alívio dos sintomas desde a primeira aplicação.

A linha conta, ainda, com o Gino-Canesten® Calm, sabonete íntimo calmante em gel, que alivia a coceira vaginal por até 12 horas.

 

*Gino-Canesten® 1 comprimido vaginal (clotrimazol) / Gino-Canesten® creme vaginal (clotrimazol 50 mg/5g) / Gino-Canesten® 3 creme vaginal (clotrimazol 100 mg/5g) Reg. MS – 1.7056.0102 / Gino-Canesten® (clotrimazol) cápsula vaginal Reg. MS – 1.7056. 0124.001-5 INDICAÇÕES. Gino-Canesten® 1 Comprimido vaginal é indicado para o tratamento local de vaginite e corrimento vaginal infeccioso causado por fungos, geralmente do gênero Candida. Gino-Canesten® (clotrimazol) cápsula vaginal é indicado para o tratamento local de infecção da região vaginal com corrimento causados por fungos (Candida). Gino-Canesten® Creme vaginal e Gino-Canesten® 3 creme vaginal: é indicado para o tratamento local de vaginite e corrimento vaginal infeccioso causado por fungos, geralmente do gênero Candida. Também é indicado para o tratamento local de infecções da área vulvar e áreas adjacentes e inflamação da glande e prepúcio do parceiro sexual, causadas por fungos e levedura (vulvite e balanite por Candida). Contraindicação: hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula. Cuidados e Advertências: Gino-Canesten® 1 comprimido vaginal e Gino-Canesten® cápsula vaginal podem reduzir a eficácia de métodos contraceptivos de barreira à base de látex. FGC 2021-03-01-199. SAC 0800 723 1010│sac@bayer.com.| *De acordo com o estudo clínico realizado. Este produto é um cosmético para higiene íntima. L.BR.MKT.03.2021.11929.

Aviso
Aviso/Divulgação
Continua após a publicidade
Publicidade