Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

A internet pode estar atrapalhando seu sono

Especialistas têm falado sobre os impactos da tecnologia na forma como você dorme; entenda o assunto

Por Lorraine Moreira
Atualizado em 1 jul 2023, 17h43 - Publicado em 1 jul 2023, 10h52

“Quando Thomas Edison inventou a lâmpada elétrica, indiretamente foi responsável por uma confusão no nosso relógio biológico, mais precisamente no ciclo vigília-sono”, diz Larissa Fonseca, psicóloga especialista em sono pela Unifesp. Hoje, então, onde checar o celular é a primeira coisa que fazemos ao acordar e a última antes de dormir, os impactos são ainda mais potentes. 

O sono é um estado fisiológico complexo e vital para nosso organismo, pois é durante ele que acontece o relaxamento do corpo, além de processos de memorização, aprendizagem e metabolismo, segundo Taissa Ferrari Marinho, médica neurologista. “Sua ausência pode levar a alterações significativas no funcionamento físico, ocupacional, cognitivo e social do indivíduo, comprometendo substancialmente a qualidade de vida da pessoa.”

Com a luz elétrica, as telas, incluindo o celular ‒ mesmo com baixa luminosidade ‒  e a atividade ininterrupta da internet nos atraindo para esticar nosso dia, entretanto, afetamos parte importante desse processo. “Fisiologicamente, nosso corpo não entende que é noite e, portanto, hora de dormir”, lembra a psicóloga.

“Isso tudo está ligado ao ciclo circadiano, nome científico para o chamado relógio biológico. É ele que coordena os sistemas mentais e físicos, regula o nosso horário de dormir, acordar e o ritmo em que fazemos as nossas atividades”, afirma neurologista. Mas como isso está relacionado? “A claridade do dia estimula a liberação de cortisol, o hormônio que nos deixa despertos, enquanto a ausência de luz a noite permite a produção de melatonina, o hormônio que induz ao relaxamento e ao sono”, diz Taissa.

Prejuízos de não dormir bem

A falta de sono afeta o humor, aumenta a irritabilidade e diminui a capacidade de lidar com o estresse, prejudicando o comportamento e as relações interpessoais, ou seja, a interação entre indivíduos, segundo Larissa. “Isso tudo pode ser agravado e acabar resultando em ansiedade e depressão.”

Continua após a publicidade

Não é só a saúde mental que sofre as consequências, mas também a física. “A luz azul está presente em vários dispositivos tecnológicos, como celulares, computadores e TVs. A alta exposição a ela pode levar a problemas na visão”, pontua a médica. A ausência de sono também compromete a agilidade cognitiva e a memória, além de dificultar o processo de tomar decisões e aumentar as chances de ter doenças metabólicas.

Mulher mexendo no celular na cama
O celular pode prejudicar seu sono. (Ron Lach/Pexels)

Quais são as recomendações para reduzir a influência negativa da tecnologia no sono?

A tecnologia veio para facilitar a vida das pessoas: acesso rápido à informações importantes e comunicação instantânea são só alguns dos benefícios. Porém, ao mesmo tempo, o controle do tempo e do horário do uso da tecnologia é imprescindível para uma boa qualidade de vida. 

“Para evitar prejuízos, uma dica é adotar a higiene do sono, mantendo o quarto com baixa percepção do barulho, temperatura agradável e evitar dispositivos luminosos, como celular, TV, computadores, despertadores digitais, antes de dormir”, indica Taissa.

Continua após a publicidade

A psicóloga completa: “perceba as situações que te levam ao uso dos aparelhos, anote as horas perdidas, tenha horários específicos para responder e-mails, mensagens e até usar redes sociais, tenha hobbies e selecione espaços de sua casa em que dispositivos eletrônicos não podem estar presentes.”

E se eu for viciada?

“Como qualquer vício, há uma dependência que provoca um efeito químico no organismo. No caso do uso de celular, é a dopamina”, conforme Larissa. Esse hormônio traz a sensação de que você está satisfeito e o dever está cumprido.

“A liberada pelo uso da tecnologia, seja através de mensagens recebidas, ou likes em redes sociais, é de fraca intensidade e faz com que o indivíduo queira cada vez mais, por esse motivo, pode levar ao vício”, contextualiza.

Para sair dessa, além ter acompanhamento profissional, é importante substituir parte do uso de celular por atividades físicas, alimentação correta e outras tarefas que fazem o prazer ser prolongado, sem acabar tão rapidamente, acrescenta a especialista.

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.