CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Próxima semana terá raro fenômeno astronômico. Confira como ver

A "Grande Conjunção" entre Júpiter e Saturno acontece a cada 20 anos e, desta vez, será visível a olho nu

Por Da Redação Atualizado em 17 dez 2020, 14h22 - Publicado em 17 dez 2020, 15h30

Além do início do verão, a próxima segunda-feira (21), será marcada por um grande fenômeno astronômico. Cerca de uma hora depois do pôr do sol, Júpiter e Saturno estarão em posições muito próximas no céu, formando uma “grande conjunção”.

O alinhamento dos dois faz com que pareçam formar um planeta duplo. O fenômeno é especialmente marcante porque ocorre apenas uma vez a cada 20 anos, mas, em 2000, quando aconteceu pela última vez, não foi visível.

Apesar de parecerem muito próximos quando vistos da Terra, é tudo uma questão de perspectiva, já que Júpiter e Saturno estão a centenas de milhões de quilômetros de distância um do outro. Ainda assim, a distância é muito menor que a das últimas vezes que o evento aconteceu: a última vez em que os dois planetas estiveram tão próximos foi em 1226, há quase 800 anos, segundo a NASA.

Onde ver?

A aproximação dos planetas teve início ontem (16) e vai até o dia 25, mas o ápice do fenômeno ocorrerá na noite de segunda (21). A partir de hoje, se o céu estiver “limpo”, possivelmente os pontos brilhantes se aproximando estarão visíveis.

Na segunda-feira, o fenômeno será visível de quase todos os pontos da Terra no início da noite, porém quanto mais perto do Equador, melhor será a visão. Se o céu estiver sem nuvens e não estiver chovendo, a conjunção poderá ser vista mesmo sem o uso de binóculos ou telescópio. Por estarem muito próximos, os dois planetas parecerão um só.

A grande conjunção se formará em um ponto mais baixo do céu, com Júpiter à esquerda e Saturno à direita. Se possível, busque um lugar sem prédios e com pouca luminosidade artificial para poder apreciar o evento.

Outra maneira de acompanhar a conjunção é assistindo às transmissões ao vivo que diversos observatórios do mundo farão. O observatório Lowell, um dos mais conhecidos dos Estados Unidos, é um dos locais que transmitirá o fenômeno. Assista aqui.

  • O que é mieloma múltiplo e como tratá-lo

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade