Família teria pedido ajuda à polícia horas antes de morrer no Chile

Governo chileno investiga se houve negligência policial no socorro aos brasileiros

A polícia chilena investiga se houve negligência no socorro à família brasileira morta em um apartamento em Santiago, capital do Chile. As vítimas teriam telefonado à polícia ao sentir os primeiros sintomas de intoxicação, cerca de quatro horas antes da morte. O policial enviado ao local não teria encontrado o endereço e, por isso, a família não teve socorro.

A polícia quer esclarecer se realmente houve comunicação com os brasileiros e como os agentes agiram ao receber a ligação, informou Andrés Chádwick, ministro do Interior e Segurança.

O chefe de polícia de Santiago, Mauricio Rodríguez, disse que todos os dados sobre o caso já foram repassados à Promotoria, que iniciou as investigações para estabelecer se houve negligência policial.

Entenda o caso

Seis brasileiros foram encontrados mortos em um apartamento em Santiago, no Chile, na última quarta-feira (22). A identidade das vítimas foi informada nesta quinta (23) por um parente da família. Cinco eram catarinenses e uma, goiana.

Os bombeiros suspeitam que um vazamento de gás tenha sido a causa da morte da família, que estava viajando para comemorar o aniversário de um dos filhos, Caroline Nascimento de Souza, que completaria 15 anos na sexta-feira (24). O prédio, no centro da capital chilena, foi esvaziado durante as operações.

De acordo com o jornal “El Mercurio”, os policiais encontraram um forte cheiro de gás quando entraram no apartamento, que estava alugado pela família no Airbnb desde domingo (19). Os bombeiros ainda estão fazendo a perícia para comprovar o vazamento.