Crianças preferem ser youtubers a astronautas, sugere estudo

Pesquisa indica que o interesse das crianças americanas e britânicas por astronomia também é menor que por profissões como professor e músico

Uma pesquisa feita com 3 mil crianças de 8 a 12 anos dos EUA, Reino Unido e China mostra que, hoje em dia, as crianças ocidentais têm mais interesse em se tornarem youtubers do que astronautas. O estudo foi realizado pela empresa Harris Poll a pedido da fabricante de brinquedos LEGO.

Quando questionadas sobre o que gostariam de ser quando crescessem, 3 em cada 10 crianças americanas e britânicas disseram que gostariam de ser youtubers ou vlogueiros. As carreiras que vieram em seguida foram professor, atleta ou músico, com 26%, 23% e 19% de preferência nos EUA, respectivamente, e 25%, 21% e 18% no Reino Unido.

VEJA os assuntos que mais estão bombando nas redes sociais

Ser astronauta ficou em último lugar entre as preferências de ambas as nacionalidades, com 11%. A pesquisa não soube explicar o porquê da preferência tão baixa, mas apontou que possivelmente as crianças norte-americanas não tem mais tanto fascínio pela profissão porque já estão acostumadas a ver representantes de seu país em missões espaciais da NASA.

Na China, os resultados da pesquisa foram opostos aos dos outros países. 56% das crianças chinesas disseram que querem ser astronautas quando crescerem, enquanto ser youtuber ou vlogueiro é a preferência de apenas 18%, em último lugar. A escolha pela carreira de professor é a vontade de 52% das crianças chinesas, seguida pela vontade de ser músico, com 47% e, depois, atleta, com 37%.

Os chineses também têm mais vontade de ir para o espaço e têm expectativas mais altas sobre a presença de humanos no espaço. 

A pesquisa foi feita 50 anos depois de o homem pisar na Lua pela primeira vez, em 1969. A ideia da LEGO era analisar o quanto o espaço ainda inspira as crianças.

Leia mais: CNN Brasil anuncia contratação de Mari Palma e Phelipe Siani

+ Ainda em recuperação de acidente, Henrique Fogaça pega pneumonia

Síndrome de burnout – Izabella Camargo conta a sua história no podcast Senta Lá, CLAUDIA