Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

42% das brasileiras relatam já ter sofrido assédio sexual

De acordo com pesquisa do instituto Datafolha, percentual de casos de assédio varia conforme idade, cor da pele e recorte de classe

Por Da Redação Atualizado em 23 dez 2017, 11h21 - Publicado em 23 dez 2017, 11h02

Ao menos 42% das brasileiras relatam já ter sofrido assédio sexual, informa pesquisa do instituto Datafolha. O estudo foi divulgado neste sábado (23) e entrevistou 1427 mulheres no final de novembro deste ano.  .

De acordo com o Datafolha, o percentual de casos de assédio pode variar conforme a idade e tende a crescer quanto menor for a faixa etária. Entre as mulheres com 60 anos ou mais, 24% relatam casos assédio na vida; entre as 45 a 59 anos, o percentual corresponde a 34%; entre 35 e 44 anos, 45%; entre as de 25 e 34 anos, 50% ; e 56% entre 16 e 24 anos.

Leia mais: Assédio sexual e moral no trabalho: como identificar e denunciar?

As entrevistadas pelo instituto contam que os assédios costumam acontecer em espaços públicos frequentados por elas: 29% das mulheres revelam terem sido assediadas na rua e 22% no transporte público; 15% no trabalho, 10% na escola ou na faculdade. O assédio dentro de casa corresponde a 6% dos relatos. Vale destacar que uma mesma entrevistada pode ter sofrido mais de um tipo de violência.

Leia mais: Adolescentes denunciam professor de escola por assédio sexual

Além do ambiente, a cor da pele também foi um fator que chamou a atenção dos pesquisadores. Entre as mulheres que se identificam como pretas e pardas, 45% confirmaram terem sido vítimas do abuso. O percentual cai entre as mulheres brancas e corresponde a 40%.

O recorte de classe também é perceptível. Casos de assédio foram confirmados por 58% das mulheres que vivem com renda mensal de mais de 10 salários mínimos. Entre as que vivem com renda de 5 a 10 mínimos, o índice é de 53%. O indicador passa a ser de 48% entre as mulheres que recebem de 2 a 5 salários mínimos e para 38% na faixa de até 2 salários mínimos.

Leia mais: Após acusação de assédio, bailarino brasileiro deixa ABT

Continua após a publicidade
Publicidade