A carta de amor às corajosas jovens skatistas do Afeganistão

Vencedor do Oscar de Melhor Documentário em Curta-Metragem mostra o trabalho de uma ONG que leva oportunidade através da educação a garotas esquecidas

Com uma história emocionante, Learning to Skateboard in a Warzone (If you are a girl) (Aprendendo a andar de skate em uma zona de guerra – se você é uma garota, em tradução livre) levou o Oscar de Melhor Documentário em Curta-Metragem na noite de ontem (09). O filme traz um olhar delicado e empoderado sobre a dura realidade de meninas afegãs que, privadas de direitos básicos, como o acesso à educação e ao esporte, encontram no trabalho de uma ONG um sopro de esperança e liberdade.

Vencedor também do BAFTA de Melhor Curta Britânico e do prêmio do júri de Melhor Documentário Curta no Festival de Tribeca, o filme mostra o dia a dia de um grupo de meninas de Skateistan, uma organização não-governamental que ensina garotas a andar de skate em Cabul, cidade mais populosa do Afeganistão. Com acesso limitado a atividades recreativas e de educação, a ONG apoia uma nova geração de meninas: aquelas que sabem que são capazes de qualquer coisa.

Muitas vezes analfabetas e moradoras de comunidades pobres, elas não aprendem apenas a andar de skate. O documentário mostra que o trabalho da organização consiste também em dar aulas de reforço escolar, para que elas possam ser reinseridas no sistema público de educação. Ao longo do ano registrado no filme, é possível ver uma clara evolução das garotas, que se empoderam e se inspiram ao ver a coragem das mulheres que lecionam a elas muitas vezes escondidas de seus familiares.

Ao subir ao palco para receber a tão desejada estatueta dourada, a diretora Carol Dysinger relembrou a importância do trabalho social abordado no filme. “Eu trabalho no Afeganistão desde 2005 e este filme é a minha carta de amor às corajosas meninas daquele país. Para chegar de Cabul até aqui, foi preciso não desistir e ter o trabalho de muitas professoras, o tipo de professora que tento ser na NYU Film Academy, o tipo de professora de Skateistan. Elas ensinam às garotas coragem, a levantar a mão e dizer ‘Eu estou aqui, eu tenho algo a dizer e eu vou andar naquela rampa. Não tente me impedir'”, disse Dysinger. Assista ao discurso completo abaixo:

Apesar da beleza e sensibilidade, é possível perceber que a construção da trama não foi fácil. Para conseguir autorização para gravar, Dysinger precisou conquistar a confiança da comunidade. Para isso, aprendeu a língua local e contratou uma equipe de afegãos para fazer a produção do documentário. “Para as meninas de nosso filme, a chance de andar de skate apresenta uma experiência única – competir, jogar, aprender seus pontos fortes e ganhar coragem e habilidades para a vida que transcenderão o skate e a sala de aula”, afirmou Dysinger durante o BAFTA.

Assista ao trailer:

 

O documentário é a ponta de esperança na vida de centenas de garotas que parecem ter nascido com seus destinos determinados por um local com tão poucas perspectivas para as mulheres.

Como se livrar das dívidas e multiplicar seu dinheiro

%d blogueiros gostam disto: