Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ana Claudia Paixão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

A jornalista Ana Claudia Paixão (@anaclaudia.paixao21) fala de filmes, séries e histórias de Hollywood
Continua após publicidade

A dificuldade de definir drama ou comédia em Hollywood

O resultado do 75º Emmy Awards, junto com o do Golden Globes e outros prêmios, confirma que favoritismo não se traduz em diversidade

Por Ana Claudia Paixão
19 jan 2024, 10h42

Em geral, se uma série te faz rir é comédia, mas se te faz chorar é drama, menos em Hollywood. No Oscar, onde não há separação entre gênero de Comédia ou Drama, a lista de indicados é reduzida e cria maior competitividade, mas também, por alguma razão, parece que tende a menosprezar a arte de fazer rir, como se comédia fosse mais fácil do que o drama, quando é justamente o contrário.

Sendo o único prêmio a juntar todo mundo no mesmo grupo, era de se imaginar que nas outras premiações, que têm mais categorias justamente por não seguir esse exemplo, poderíamos esperar mais vencedores.

Para surpresa geral, o que tem sido percebido no Golden Globes, no Critic’s Choise Awards e no Emmy Awards é que, uma vez definido o favorito, não tem mais para ninguém. É repeteco de janeiro até março.

Por que isso acontece se esses prêmios dividem Drama da Comédia, Série de Minissérie e de Filmes, etc. ?

Continua após a publicidade

O inimigo é justamente a popularidade. A impressão da noite do 75º Emmy Awards foi de que praticamente apenas três séries venceram: TretaSuccession e O Urso, mesmo que  não seja verdade.

Houve outros vencedores, por exemplo, que não foram televisionados, mas Nick Offerman e Storm Reid ganharam como Atores Convidados em Drama Series por The Last of Us, nós é que não vimos. Ainda assim, ficamos achando que só ganharam aqueles três.

O que contribui para uma impressão de puro tédio é que todo início de ano, na temporada de premiações, parece que alternamos nossa torcida para imediata rejeição, em um complexo quadro onde preferimos zebra. Como inglês zebra é o ‘underdog’,  que dá nome à uma canção da banda Kasabian, lembro que cantam que “só se perde para ganhar”.

Continua após a publicidade

Nada mais verdadeiro. Faz sentido, não é? Se para a gente que está em casa fica entediante quando a noite vira festa particular de um grupo só, imagine para os famosos que têm que virar coadjuvantes da vitória alheia, manter a pose e ir pra casa como perdedores?

Meryl Streep, a eterna rainha, chamou a nossa atenção quando há alguns anos brincou que não entendia porque as pessoas a consideravam tão vitoriosa por acumular 21 indicações ao Oscar se ela só ganhou três vezes. Ou seja, sugeriu que na verdade ela seria a maior perdedora de Hollywood.

Obviamente, estava brincando, mas se efetivamente Meryl vencesse todas as vezes – e todas as indicações foram merecidas -, de 1979 até 2023, praticamente ninguém mais teria vencido além dela. Estaríamos reclamando, sem dúvida. Suas 18 derrotas a fizeram tão vitoriosa quanto os 3 Oscars que ganhou.

Continua após a publicidade

Não sei para vocês, mas o maior problema da noite do Emmy Awards para mim é ter O Urso concorrendo como comédia. Honestamente, nos poucos momentos leves da série até rimos, mas não há comédia na depressão e angústia do nosso Chef.

Acho quase ofensivo que Only Murders in the BuildingTed LassoWandinha ou até mesmo A Maravilhosa Sra. Maisel, tenham perdido para O Urso.

E vou além: se tivessem colocado Jeremy Allen White contra Kieran Culkin, será que Succession ainda teria levado o Prêmio de Melhor Ator? A piada do Drama ser premiado como Comédia não nos faz rir.

Continua após a publicidade

Muita gente tem se perguntado sobre isso, como se a gente tivesse perdido alguma coisa, e na transmissão da HBO Max a comentarista sugeriu que a resposta estaria nas regras do Emmy, que mediriam o gênero por tempo.

Como em geral na TV aberta a comédia tem apenas 30 minutos, e drama frequentemente tem 45, automaticamente O Urso (cujos episódios são curtos) entraria como Comédia. Fiz questão de ler as 82 páginas do regulamento e não encontrei essa informação.

As regras estão online, se eu tiver lido errado podem me avisar. A verdade é que ou alguém em Hollywood acha tristeza engraçado ou percebeu que se O Urso fosse comédia ganharia com maior facilidade. Não cheguei a uma conclusão ainda. E a série é espetacular.

Continua após a publicidade

Assim, voltamos ao efeito do ovo ou da galinha: como mudar sem ser injusto? O fato é que, se colocarmos em perspectiva, o Melhor Drama de 2022 foi mesmo Succession, mas a Melhor Comédia talvez tenha sido Abbot Elementary.

Certamente ter O Urso e Abbot Elementary competindo deixa claro qual dos dois não poderia estar sendo chamado de comédia.

Na lógica atual, quando forem escolhidos os ‘melhores de 2023’, O Urso será de novo o favorito em Comédia. Já na categoria Drama, como não há ‘sucessor’ para Succession, eu pessoalmente aposto na vez de The Morning Show.

Billy Crudup vem como favorito como Ator Coadjuvante (embora tenha sido protagonista), Greta Lee virá com força como coadjuvante e a série deve ganhar de Melhor Drama. Não terá ano mais fácil para isso, uma vez que The Crown perdeu a força pelo cansaço do drama real da Família Real nos últimos anos.

Volto a cantarolar Underdog de Kasabian que diz “o povo adora ver um vencedor cair”, temendo que a unanimidade de O Urso se vire contra a série.

Vou atualizar meus palpites do próximo Emmy Awards (em julho) mais à frente, claro, mas minha esperança de ver algo mais justo é mínima. E a sua?

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.