CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Clássica posição sexual pode ser a mais eficaz para o orgasmo feminino

Um novo estudo aponta que o fluxo sanguíneo do clitóris é mais estimulado com a posição "papai e mamãe”

Por Raíssa Basílio Atualizado em 13 jul 2022, 19h28 - Publicado em 13 jul 2022, 14h27

Apesar de não haver um consenso sobre a melhor forma de uma mulher alcançar o orgasmo durante a relação sexual (até porque cada corpo se excita e sente prazer de um jeito), a ciência consegue ajudar a pavimentar o caminho desse debate a aponta algumas respostas. Um recente estudo publicado no Journal of Sexual Medicine indica, por exemplo, que uma das posições consideradas mais banais do sexo acaba de ganhar novas nuances de prazer: a posição “papai e mamãe” seria a mais eficaz para o orgasmo feminino.

A pesquisa foi realizada pela clínica de ginecologia New H Medical, de Nova York, usando um scanner de ultrassom. Os cientistas analisaram um casal heterossexual de voluntários enquanto eles faziam sexo em cinco posições populares por 10 minutos, para observar qual delas era a melhor para estimular o fluxo sanguíneo do clitóris. Na posição “papai e mamãe”, com o auxílio de um travesseiro estrategicamente colocado abaixo da pelve da mulher, a inclinação do corpo é maior, deixando a vagina menos contraída.

Além disso, os cientistas observaram que, nessa posição, a penetração é mais profunda, já que os órgãos sexuais dos parceiros ficam ainda mais próximos. Em outras palavras, o pênis consegue ir mais fundo e alcançar diferentes partes da genitália feminina.

De acordo com os resultados da pesquisa, o uso do travesseiro como apoio foi fundamental para o clímax feminino. “Os travesseiros comercializados para essa prática, muitas vezes chamados de ‘almofadas sexuais’, geralmente são firmes e seu formato proporciona a angulação pélvica mais precisa e consistente do que os travesseiros convencionais”, explicaram os estudiosos.

Kimberley Lovie, médica que liderou a pesquisa, explicou que “há poucos estudos científicos que avaliem a associação entre as diferentes posições do coito e sua capacidade de produzir orgasmo feminino. O objetivo era comparar o fluxo sanguíneo do clitóris antes e depois do coito em cada uma das cinco posições, após um período de tempo padronizado”.

De acordo com o estudo, a posição “de quatro” é a menos eficaz para o esse estímulo. “A posição ajoelhada com a penetração por trás produz a menor quantidade de contato direto com o clitóris e resultou em um aumento insignificante no fluxo sanguíneo em comparação com as posições face à face”, acrescentou a médica.

Uma outra pesquisa, realizada pela Universidade de Ottawa, no Canadá, concluiu que o orgasmo feminino não está associado ao gemido durante o ato sexual. As alterações na respiração, aumento da pressão arterial e ondas de calor experimentadas pelas mulheres durante o sexo são considerados “um aspecto mal compreendido da resposta sexual feminino”, concluíram os pesquisadores.

Continua após a publicidade

Publicidade