O amor e a realização da maternidade em terras distantes

Colunista da CLAUDIA FILHOS, a jornalista Chris Flores conta as histórias de Mirela e Camila, duas mulheres que fizeram caminhos opostos, uma saiu de Portugal rumo ao Brasil e a outra saiu do Brasil e foi para Portugal.

Você acredita em amor à primeira vista? Mirela e Camila estão aí para provar que ele existe! Duas mulheres que fizeram caminhos opostos, uma saiu de Portugal rumo ao Brasil e a outra saiu do Brasil e foi para Portugal. Em comum, o amor e a realização da maternidade em terras distantes. Vou começar pela Camila. Uma adolescente divertida, estudiosa, engajada em causas sociais, que detestava rock. Um dia, há 21 anos, uma amiga de escola (tudo bem, sou eu), que amava rock, resolve levá-la até um bar, que mudaria seu destino. Lá estava Carlos, ex-cabeludo, que já tinha tocado em banda e agora trilhava seu caminho como economista. A amiga apresentou os dois e foi só. Bastou um olhar e poucos segundos de conversa para se descobrirem almas gêmeas. Namoraram, casaram e tiveram dois filhos. Quando Pedro tinha 2 anos e 8 meses e Clara, 1 ano e 4 meses, Carlos decidiu que queria fazer seu doutorado em Portugal. Quem, em sã consciência, aceitaria se mudar de país com duas crianças ainda de fraldas, largaria sua carreira bem-sucedida na advocacia e escolheria a casa onde iria morar por foto e telefone? Camila. Para realizar o sonho do marido, topou o desafio. Eles foram com a ideia de permanecer lá só por quatro anos. Porém, a qualidade de vida das crianças pesou e lá se vão 11 anos em terras portuguesas, sem previsão de volta. A família fez amigos preciosos, Camila tem um bom emprego no consulado-geral do Brasil, Carlos dá aula em uma universidade conceituada e as crianças podem ir a pé para a escola, pública e de qualidade, onde têm até aula de balé e violoncelo. Já Mirela estava cansada da vida em seu país, Portugal. Resolveu passar uma temporada no Brasil e colocar as ideias em ordem para refletir sobre seu futuro. Seu pai tinha negócios por aqui e uma casa em Natal. Chegou em agosto de 2008 e até outubro não sabia o que seria da sua vida. Sua mãe pedia para ela voltar, mas Mirela tinha uma certeza: deveria esperar, porque seu destino estava no Brasil. Uma amiga a convidou (sempre uma amiga…) para ir a São Luiz (MA) em uma micareta. Antes do evento, porém, uma passadinha na casa de outra amiga, onde rolava uma festa. Foi ao descer uma escadaria até a piscina, meio tímida, que seus olhos cruzaram com os de um moreno de sol e corpo malhado (do jeito que ela gostava). No primeiro papo, ele decretou: você vai ser minha! Era o primeiro aviso do destino. Micareta vai, micareta vem, rolou o primeiro beijo. Ficaram por dois dias juntos até Saulo precisar voltar para São Paulo, onde morava e trabalhava. Duas semanas depois, ele foi ao encontro de Mirela em Natal e ficaram grudados durante cinco dias. Quando voltaram a se ver, foi para morar juntos. Em três meses, Saulo pediu que Mirela engravidasse, o que aconteceu um ano depois. Eles têm Matheus e agora esperam por Bruna. Assim como Camila, ela já se adaptou ao seu novo país e não quer voltar à terra natal. Mirela prefere a educação daqui, segundo ela, mais tradicional e conservadora. Por amor aos parceiros, enfrentaram seus medos e acreditaram em uma nova vida. Por amor aos filhos, construíram sua felicidade do outro lado do oceano.