Dicas práticas para ter uma casa mais saudável e harmoniosa

Conheça mais sobre o Selo Casa Saudável: desenvolvido por especialistas da geobiologia, o estudo aponta cuidados para você manter o ambiente em equilíbrio com o seu bem-estar

O Selo Casa Saudável mostra os parâmetros para que uma construção que não atinja a saúde das pessoas. Para entender de onde vem este certificado, é importante se familiarizar com a geobiologia. Também conhecida como a biologia da construção, é o estudo de como o espaço impacta a saúde humana – e como podemos utilizar desse pilar para melhorar um lugar e nosso organismo. Na prática, ela reúne tudo o que afeta o nosso bem-estar, que está diretamente ligado à nossa saúde.

“No começo do século houve uma grande procura pelos conceitos sustentáveis e suas aplicações. O que acabou girando muito dinheiro em cima de publicidade e marketing sobre o assunto trazendo o nome – e a cor verde – mas nenhum benefício de fato ao meio ambiente”, comenta o presidente do Instituto Brasileiro de Geobiologia, Allan Lopes. “Como o conceito de sustentabilidade veio se deteriorando com o tempo, tivemos uma decisão para nortear uma construção verdadeiramente saudável”, completa. “É a introdução de um conceito no Brasil que já existe há muito tempo no exterior”, comenta o especialista.

A geobiologia está preocupada com o conforto a longo prazo e as consquências que o meio pode trazer para o seu organismo. Veja algumas dicas de como colocá-la em prática na sua casa.

Iluminação

A iluminação deve ser o mais natural possível. A luz natural provinda do sol é responsável pela produção de Vitamina D, cuja função é a absorção de cálcio e fósforo.

Ter um ambiente bem iluminado também traz uma ação bactericida. Lugares escuros e úmidos proliferam fungos e bactérias, tornando o espaço insalubre.

Já durante a noite, é recomendável retirar aparelhos como computadores e celulares do ambiente. “Mesmo quando o aparelho está desligado, em modo de espera, aquele pequeno sinal de led já atrapalha”, conta Allan. O led, principalmente o vermelho, dá a informação para o nosso corpo de que ainda está de dia.

Tendo como padrão a natureza, o nosso organismo foi feito para morar nas cavernas. A luz é a informação que diz para a gente que está de dia. Então é ela quem determina a nossa produção de vitamina D, entre outras substâncias, que estimula a gente a produzir.

À noite, é importante que tudo esteja escuro para que os hormônios noturnos sejam sintetizados. É dormindo que produzimos melatonina, por exemplo, o hormônio que regula o sono e regenera a pele. Se temos luz no ambiente, há uma pausa nessa produção e uma confsão no nosso organismo, prejudicando a qualidade do sono, a sintetização dos hormônios, vitaminas, e a nossa disposição.  

Qualidade do ar

Podemos observar algumas formas de contaminação do ar. Entre elas a química, que se dá por meio de toxinas presentes, como benzeno, tolueno, entre outras. A origem destas substâncias é variada, podendo vir dos materiais de construção, como tintas e vernizes; dos mobiliários, que podem liberar substâncias de colas e materiais sintéticos.

Essas substâncias presentes em acabamentos e mobiliários normalmente são chamadas pelo nome genérico de Composto Orgânico Volátil (COV, ou em inglês VOC, Volatile Organic Compound). A cola, por exemplo, é manipulada e você sente o cheiro de longe.

A atuação destas toxinas em geral no nosso organismo pode ser desde uma simples irritação na pele ou nas mucosas (boca, olhos, nariz) até severas complicações respiratórias, alergias e outros sintomas.

Existem empresas que tendem a diminuir e colocar em zero. E já começou a confecção do Selo para produtos. Mais de 60 estão sendo analisadas no momento. “Como o projeto começou em setembro, as empresas ainda vão receber o certificado”.

Ventilação

A ventilação também é um aspecto fundamental. Se a casa ficar sempre fechada, os níveis de poluição interna do ar sobem. Mesmo em São Paulo, onde o ar é muito carregado, é preciso abri-las para ventilar.

O especialista explica que quando fechamos as janelas e o espaço não tem ventilação, a produtividade cai. Estamos trabalhando e gastando mais energia para produzir.

Som

Dividindo a qualidade do som em três níveis, temos aquilo que é ilegal que traz perda da qualidade auditiva; o desconfortável, que interfere na nossa capacidade de concentração; e o saudável, que interfere na nossa irritabilidade.

No trabalho, às vezes precisamos falar mais alto, existem grandes barulhos e nosso estímulo auditivo interfere na nossa irritabilidade – afetando diretamente a nossa saúde. “Quando o corpo não sabe o que fazer, assim como na situação dos exemplos acima, ele se protege e ‘fica nervoso’. Nossa pressão aumenta, assim como a tensão muscular”. Nosso corpo, assim como a natureza, vive um ciclo – que temos que manter em equilíbrio!

Para saber mais sobre este projeto e consultar um especialista, acesse o  site do Selo Casa Saudável. E mãos à obra!