Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

7 dicas para lidar com chiliques dos seus filhos

Os pitis das crianças tiram qualquer um do sério. Aprenda a contornar a situação com firmeza, sem perder o controle

Por Gabriela Navalon (colaboradora) Atualizado em 22 jan 2020, 00h55 - Publicado em 29 mar 2015, 08h00

É só dizer um “não” para o seu filho que o tempo fecha e ele grita, chora, se joga no chão? Em geral, esse comportamento é só para chamar a atenção e costuma acontecer mais até os 4 anos. Depois disso, fica mais fácil negociar. Conversamos com especialistas para procurar a melhor forma de agir nesses casos e descobrimos que o segredo para dar fim às crises de birra ou, pelo menos, fazer com que sejam menos frequentes, é usar a autoridade e ser firme, sem apelar para gritos e palmadas. Dessa forma, você ensina o pequeno a lidar com as frustrações, que certamente aparecerão ao longo de toda a vida.

1. Seja firme

Quando seu filho começa uma birra, provavelmente ele está querendo algo que não pode ter. Ensiná-lo a lidar com essa situação faz com que ele seja, no futuro, alguém mais paciente e pronto para encarar as dificuldades na vida adulta.

2. Ignore-o

A intenção dele é chamar a atenção, e qualquer retorno que tiver significará que conseguiu o que queria, mesmo que seja um retorno negativo, como o castigo. O que vale é explicar com calma o motivo do “não”. Se ele não quiser ouvir, vire as costas.

3. Livre-se da culpa

Muita gente tem medo de ignorar as birras por achar que os filhos vão se sentir desprotegidos. Não se sinta culpada por criar limites. A ideia é ensiná-los que há regras. Eles ainda vão te agradecer no futuro!

4. Guarde a recompensa

Alguns pais oferecem presentinhos para os filhos pararem com o escândalo. Isso não é certo. O que pode ser feito é tentar distrair a criança, nunca recompensá-la por ter ficado quieta.

5. Não grite

Os chiliques costumam deixar os pais constrangidos, mas gritar não soluciona o problema. Pode até piorar! Mantenha a calma e, se estiver em público, tente sair com a criança do local.

6. Repense o “não”

Quando falamos muitas vezes que a criança não pode fazer ou ter algo, o “não” fica desgastado. Mude a forma de falar. Por exemplo: “Hoje vamos à loja comprar brinquedo para o seu amiguinho, mas só para ele, combinado?”

7. Persista

Evite trocar diversas vezes de estratégia na hora da birra. Escolha um jeito e permaneça agindo da mesma maneira. Caso contrário, as crianças podem ficar confusas.

Fontes: Quézia Bombonatto, diretora da Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp) e Ana Cássia Maturano, psicóloga e coautora do livro Puericultura –Princípios e Práticas (Editora Atheneu)

Continua após a publicidade
Publicidade