Pai e madrasta são condenados pela morte de Bernardo Boldrini

Sentença foi proferida nesta sexta-feira (15)

O médico Leandro Boldrini, pai do menino Bernardo, e a madrasta, a enfermeira Graciele Ugulini foram condenados nesta sexta-feira (15) pelo Conselho de Sentença do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Cada um irá pegar mais de 30 anos de prisão pelo assassinato do menino de 11 anos. A amiga de Graciele, Edelvânia Wirganovicz, e o irmão, Evandro, também foram considerados culpados.

A sentença foi proferida pela juíza Sucilene Engler por volta das 19h. Leandro foi condenado a 33 anos e 8 meses de prisão e Graciele a 34 anos e 7 meses. Edelvânia teve pena de 23 anos de reclusão e o irmão Evandro 9 anos e 6 meses em regime semi-aberto, já que está preso há 4 anos e 11 meses. Ele ganhou o benefício por ter cumprido um sexto da pena.

O julgamento do caso foi longo. Durou cinco dias, totalizando mais de 50 horas dentro do fórum de Três Passos. As sessões tiveram apresentações de vídeos, áudios e testemunhas de defesa e acusação.