CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

“Mapa do Acolhimento” divulga lista de atendimento gratuito para vítimas de estupro

Iniciativa da ONG Meu Rio reúne psicólogas e voluntárias em mais de 10 cidades brasileiras

Por Aline Takashima (colaboradora) Atualizado em 28 out 2016, 06h56 - Publicado em 26 set 2016, 18h20

33 homens. Esse é o número de criminosos que estupraram uma garota de 16 anos, em maio deste ano, no Rio de Janeiro. A barbárie chocou o país e trouxe à tona a discussão sobre o tema. Dado mais recente, do 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2014, revela que um estupro ocorre a cada 11 minutos no Brasil. Inconformadas com a situação, a equipe da ONG Meu Rio decidiu criar o “Mapa do Acolhimento“, uma plataforma onde terapeutas voluntárias oferecem consultas gratuitas para vítimas de violência sexual, além de um mapa colaborativo com serviços públicos próximos, que avalia quais hospitais dispõem de atendimento humanizado. “A ideia é que a mulher que sofreu um grande trauma, possa se balizar por este mapa e não fique suscetível a um segunda trauma”, explica a coordenadora da plataforma, Maria Julia Wotzik.

Leia também: Cultura do estupro: antes de dizer que não existe, entenda o que significa

A ideia surgiu a partir de uma estagiária da ONG, que sofreu abuso sexual quando criança e encontrou dificuldades em receber atendimento psicológico. Alessandra Orofino, coordenadora do Meu Rio e finalista do Prêmio CLAUDIA, na categoria Revelação, conta que nas primeiras duas semanas quase 500 terapeutas se inscreveram por tempo indeterminado e 3 mil voluntárias se cadastraram para realizar a avaliação dos serviços públicos. Maria Julia explica o porquê do sucesso da plataforma. “A quantidade de voluntárias e terapeutas inscritas representa o quanto este problema está latente na sociedade e também o quanto existe gente disposta a lutar contra a cultura do estupro de maneira colaborativa.”

Conheça a trajetória de Alessandra Orofino e dê o seu voto.

Divulgação
Divulgação
Continua após a publicidade

Mapa do Acolhimento” reúne 2.578 voluntárias e 450 terapeutas

Apesar do decreto que institui atendimento humanizado às vítimas de violência sexual, a coordenadora do “Mapa do Acolhimento” ressalta que “ falta tato e sensibilidade em muitos espaços de escuta.” Isso porque um em cada três brasileiros acredita que, em casos de estupro, a culpa é da mulher, segundo recente pesquisa do Datafolha, publicada na semana passada. Ou seja, 33,3% da população pensa que a vítima é culpada. 

Já é possível votar no Prêmio Claudia. Conheça as finalistas!

Diante do estigma, muitas mulheres não procuram ajuda psicológica. A culpa gera silêncio e impunidade. Porém, é indispensável que a vítima procure algum tipo de tratamento, explica o psicanalista Leonardo Duarte Scofield. “Ninguém passa ilesa de uma situação que a sexualidade é vivida de forma violenta, agressiva e contra a vontade. E ninguém melhor que um profissional da psicologia para minimizar os danos, para que a pessoa possa viver de forma efetiva, mais leve e livre.” 

Você também faz parte do júri que irá eleger as vencedoras de cada categoria. Para votar, aperte o coração ao lado da foto da finalista. Leia as histórias, avalie os trabalho e escolha as suas candidatas.

Divulgação
Divulgação

Continua após a publicidade

Publicidade