“Negraiada vai morrer”: Mackenzie expulsa aluno por vídeo racista

Pedro Baleotti ofendeu negros e gerou protestos em outubro de 2018

Pedro Baleotti, de 25 anos, foi expulso do curso de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo. Durante as eleições de 2018, o rapaz fez um vídeo racista em que dizia que “a negraiada vai morrer”.

“Indo votar ao som de Zezé, armado com faca, pistola, o diabo, louco pra ver um vadio vagabundo com camiseta vermelha e já matar logo, ó, tá vendo essa negraiada (apontando a câmera para uma moto ocupada por duas pessoas), vai morrer, vai morrer, é capitão, cara***!”, afirmou na ocasião com uma camiseta do então candidato e hoje presidente Jair Bolsonaro.

“Os trâmites institucionais foram cumpridos e o aluno foi expulso, receberá todos os documentos quanto aos créditos cumpridos. A instituição não coaduna com atitudes preconceituosas, discriminatórias e que não respeitam os direitos humanos”, afirmou a universidade em nota.

Em outubro, época em que o caso veio à tona, o Mackenzie disse que iria suspender o estudante e abrir um processo disciplinar para apurar o caso. Alunos da universidade, no entanto, não concordaram com as medidas e realizaram protestos pedindo medidas mais severas contra Pedro.

O coletivo negro Afromack, que encabeçou os protestos, publicou um texto comemorando a decisão. 

“Agradecemos todos que endossaram a luta, que compareceram aos protestos e se indignaram com o racismo presente na ação do aluno. A referida decisão demonstra a seriedade e o compromisso da universidade no combate ao racismo. O que é de suma importância não somente para comunidade mackenzista, mas para toda sociedade”, afirmou o grupo.

Pedro foi indicado em outubro por crime racial. Em entrevista à TV Globo, ele pediu perdão pelo “áudio infeliz”.

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
Aceito receber ocasionalmente ofertas especiais e de outros produtos e serviços do Grupo Abril.
Política de Privacidade