Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Centenas de crianças foram abusadas em abrigo. Caso foi descoberto agora

Uma investigação revelou que, ao longo de quatro décadas, crianças sofriam abusos sexuais. Uma menina foi estuprada mais de 500 vezes

Por Da Redação 29 jul 2021, 22h18

No sul de Londres, funcionários públicos e vereadores foram responsáveis por uma “cultura de acobertamento” ao permitir que mais de 700 crianças em abrigos e orfanatos fossem vítimas de abusos sexuais e atos de crueldade. As informações foram reveladas nesta última terça-feira (28) em um relatório independente, divulgado pela BBC.

De acordo com as investigações, os abusadores se infiltraram nos lares e no sistema de adoção da região, por isso conseguiram passar despercebidos. As vítimas tinham menos de cinco anos e eram expostas a violências sexuais.

A investigação sobre os abusos cometidos contra as crianças critica duramente os gestores do bairro de Lambeth, localizado no sul da cidade, por permitirem que as agressões ocorressem em cinco instituições entre os anos 1960 e 1990.

Depoimentos apontam que uma menina chegou a ser estuprada “mais de 500 vezes” por garotos mais velhos. Outra garota afirmou que foi vítima de abusos de um jovem de 17 anos, quando tinha apenas 8 anos.

Líder de seita sexual pagará R$ 17,7 milhões a vítimas escravizadas

A administração do local fez um pedido de desculpas a todas as vítimas e lamentou que o governo tenha falhado, pois já deveria saber dos crimes. 

Quem também se responsabilizou pelas ocorrências foi a polícia metropolitana de Londres que se desculpou por ter deixado as crianças aos cuidados da instituição.

Apuração policial

No relatório policial é informado que alguns funcionários destratavam as crianças tuteladas. Infiltrados na fila de adoção, os criminosos violentavam os jovens, sendo que as crianças com menos de 5 anos eram vítimas de abuso sexual.  

Foram 705 denúncias feitas pelos ex-residentes de três dos lares investigados, porém apenas um dos responsáveis foi punido até o momento. 

Continua após a publicidade

Dor e trauma: mulheres denunciam cardiologista Nabil Ghorayeb por assédio sexual 

A casa Shirley Oaks foi fechada em 1983, pois o conselho da região recebeu denúncias de, pelo menos, 529 dos ex-abrigados por abusos cometido por 177 funcionários. 

Além disso, o bairro estava envolvido em casos de corrupção e má gestão financeira durante as décadas em que os abusos ocorriam. Na época, havia uma disputa política entre o partido Trabalhista e o Conservador, que governou na década de 1980.

Atualizações do caso

O pedido de uma nova investigação criminal foi feito após descoberta de que um menino foi encontrado morto depois de contar que sofria abusos, na casa de repouso de Shirley Oaks, que fica próxima ao bairro de Lambeth. A polícia disse que avaliaria a recomendação.

Uma das crianças, que foi abusada na casa de repouso de Angel Road, disse que não pode perdoar a administração depois de tudo que passou. 

Hoje, com 56 anos, a vítima revelou em entrevista para BBC que foi para o mundo da prostituição por conta da negligência do bairro.

“Eu me sentia suja, envergonhada e era como se não tivesse ninguém para me ouvir”, disse. “Por causa do que aconteceu comigo enquanto estive sob os cuidados deles e depois que saí, não consigo manter um emprego… Tenho registros criminais e por isso é muito difícil trabalhar.”

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade