Cantora relata racismo e ofensas sofridos dentro de shopping de SP

Tudo aconteceu enquanto Raquel Virginia realizada compras e viu um grupo de meninos abordados por seguranças do estabelecimento

A cantora Raquel Virginia, do grupo As Bahias e a Cozinha Mineira, denunciou um caso de racismo que presenciou em um shopping de São Paulo e ofensas que recebeu por parte de seguranças do mesmo estabelecimento após questionar a situação.

De acordo com relato publicado por Raquel em sua conta no Instagram na última sexta-feira (8), ela caminhava no shopping Bourboun, na Zoa Oeste da capital paulista, quando se deparou com seguranças em volta de um grupo de adolescentes negros.

A artista, então, escutou um dos meninos perguntando ao amigo: “você fez alguma coisa? Não. Então já era”. Raquel conta, ainda, que esperou alguns minutos e ficou olhando as vitrines das lojas para disfarçar até ir a um dos meninos do grupo perguntar o que havia acontecido.

“Perguntei o que estava havendo. Ele me contou que os seguranças estavam averiguando uma reclamação de uma loja. Eu perguntei pro segurança: o que vcs estão averiguando? Ele me respondeu: ‘uma loja reclamou deles’. Eu perguntei: ‘reclamou o quê?’ Ele me olhou com cara de ‘não sei’. Eu olhei para os garotos e disse: ‘podem ir, vão passear, eles não podem segurar vocês aqui, podem ir’. Nesse momento um deles me olhou e disse: ‘valeu tia’.”

Incomodada com a abordagem feita ao grupo, Raquel foi falar com os seguranças. Em um primeiro momento, a discussão aconteceu sem grandes problemas. Porém, no final, os seguranças lhe dirigiram ofensas.

“Eu comecei a discutir com um dos seguranças que o tempo todo perguntou quem eu era. Eu respondi ‘uma cidadã, que paga impostos e não vai compactuar com o crime do racismo’. Depois de muita discussão voltei às compras e os garotos foram passear. Ainda passeie com eles um pouco. Resumindo: voltei às compras. Encontrei com o segurança novamente: ele olhou minhas sacolas, por certo pra saber meu poder de compra. Eu falei pra ele: “pode olhar, sou rica, comprei bastante coisa e tudo coisa cara. Fruto de estudo e competência. Ao que ele me disse: tem que estudar pra ser puta e fazer programa?. Tenho vídeos.

Em nota enviada ao G1, o shopping Bourbon afirma que repudia qualquer forma de racismo ou ato discriminatório e informa que todos os procedimentos e protocolos de abordagem a clientes estão sendo reavaliados junto à empresa terceirizada responsável pela segurança do shopping.

A denúncia feita por Raquel viralizou no Instagram e até o momento reúne mais de 7 mil curtidas e diversos comentários de repúdio ao ocorrido no estabelecimento comercial.

Leia mais: “Não ao racismo! É nossa obrigação desconstruir conceitos arraigados”