“Cães de conforto” visitam famílias de vítimas do massacre de Orlando

A tragédia, que além das 50 vítimas fatais, feriu 53, na boate Pulse, na madrugada do último domingo (12), em Orlando, deixou marcas profundas nos que lá estavam, e principalmente nos que ficaram: os familiares e amigos das pessoas assassinadas

O último domingo (12) amanheceu triste: conhecido por ter sido o dia do maior ataque a tiros da história dos Estados Unidos, o massacre que além das 50 vítimas fatais, feriu 53, na boate Pulse, naquela madrugada, em Orlando, deixou marcas profundas nos que lá estavam, e principalmente nos que ficaram: os familiares e amigos das pessoas assassinadas

LEIA MAIS: “Mamãe, eu vou morrer”: o desespero das mães das vítimas do atentado de Orlando.

E é na tentativa de amenizar a dor dessas perdas abruptas que, durante os próximos dias, essas famílias receberão a ilustre visita dos chamados “cães de conforto”. O motivo? Já é comprovado cientificamente que a presença de animais de estimação é capaz de ajudar consideravelmente na recuperação de doenças graves e na de grandes traumas, por isso esses amigões de quatro patas são treinados para visitar hospitais e regiões assoladas por grandes tragédias para oferecerem todo o seu carinho e atenção.

LEIA MAIS: Leia a carta que um sobrevivente do atentado em Orlando escreveu.

Esses pets já são conhecidos pelos americanos, e já confortaram jovens da escola onde estudava Jaylen Fryberg, que há dois anos, atirou em cinco estudantes e em si mesmo. Agora só falta existir uma ação semelhante aqui no Brasil, imagina quantos cães abandonados seriam salvos das ruas e o nível de eficiência da recuperação dos familiares de vítimas? 

LEIA MAIS: Brenda Lee morreu para salvar o filho durante massacre em Orlando.

Assista ao vídeo em inglês para conhecer um pouco mais sobre este projeto inspirador: