CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Príncipe Andrew é acusado por abuso sexual de menor de idade

Entre os anos de 1999 e 2002, Virginia teria sido forçada a ter relações com o filho da rainha Elizabeth

Por Da Redação Atualizado em 10 ago 2021, 19h04 - Publicado em 10 ago 2021, 10h35

Nesta segunda-feira (09), a People revelou que, além de Jeffrey Epstein, a advogada Virgínia Giuffre também diz ter sofrido abusos sexuais vindo do filho da rainha Elizabeth, o príncipe Andrew, entre os anos 1999 e 2002. Na época, ela tinha apenas 17 anos. 

Ativista contra os crimes de tráfico sexual, ela prometeu não se calar em relação à violência que sofreu. “Hoje meu advogado entrou com uma ação contra o príncipe Andrew por abuso sexual sob a Lei das Vítimas de Crianças. Conforme o processo apresenta em detalhes, fui traficada para ele e abusada sexualmente por ele”, declarou.

Conheça Virginia Giuffre, a mulher que denunciou príncipe Andrew por abuso sexual e hoje defende outras vítimas de assédio

Por três vezes, Virgínia teria sido obrigada a fazer sexo com o príncipe, mas ele alega que isso seria impossível. 

A advogada ainda pede justiça pela violência sofreu. Estou responsabilizando o Príncipe Andrew pelo que ele fez comigo. Os poderosos e os ricos não estão isentos de serem responsabilizados por suas ações. Espero que outras vítimas vejam que é possível não viver em silêncio e medo, mas para recuperar a própria vida falando e exigindo justiça”, afirmou.

Líder de seita sexual pagará R$ 17,7 milhões a vítimas escravizadas

O motivo de ter vindo a público foi para não desapontar outras vítimas que não podem se expor para denunciar o duque de Iorque. “Não tomei essa decisão levianamente. Como mãe e esposa, minha família vem em primeiro lugar e sei que essa ação me sujeitará a mais ataques do príncipe Andrew e seus substitutos mas eu sabia que se eu não prosseguisse com essa ação, eu estaria decepcionando eles e as vítimas em todos os lugares”, alegou.

O advogado de Virgínia disse ao Daily Mail que Andrew não respondeu às ofertas de resolver o processo judicial fora dos tribunais. A Lei das Vítimas Infantis de Nova Iorque estima que o processo de ação civil neste caso poderia ser aberto até o próximo sábado (14).

Dentro da ação, a vítima incluiu as alegações de estupro que prejudicaram ela tanto emocionalmente como fisicamente.

Com a denúncia no judiciário, o príncipe Andrew será interrogado e, caso seja solicitado, terá que entregar texto, e-mails e cartas particulares para avaliação dentro do caso. 

Centenas de crianças foram abusadas em abrigo. Caso foi descoberto agora

Continua após a publicidade

Entenda o caso

Em uma entrevista à BBC, em 2019, o duque disse que não conhecia Virginia.”Não me lembro de alguma vez ter conhecido essa senhora, absolutamente nenhuma. Simplesmente nunca aconteceu.”

Em contrapartida, a advogada  alega que uma das vezes que os abusos aconteceram os dois se encontraram na boate Tramp, em Londres. De lá foram para a mansão da família localizada no bairro de Belgravia.  

No dia do suposto ocorrido, o príncipe disse que estava com as filhas princesa Beatrice e Eugenie. “Eu levei Beatrice a um Pizza Express para uma festa às quatro ou cinco da tarde, suponho. E então porque a Duquesa (Sarah Ferguson) estava fora, nós temos uma regra simples na família que, quando um está fora, o outro está lá. Eu estava de licença terminal na época da Marinha Real, então, portanto, eu estava em casa”, se defendeu.

Outro questionamento feito na entrevista foi sobre uma foto de 10 de março de 2001, quando a vítima teria apenas 17 anos. Ele disse que desconhecia o retrato, que está com o braço envolto na cintura de Virginia, a levando para dentro da casa de sua amiga Ghislaine Maxwell. Segundo Andrew, o registro seria uma montagem. 

“Não me lembro daquela fotografia alguma vez tirada”, afirmou. “Não me lembro de ter subido as escadas da casa, porque aquela fotografia foi tirada no andar de cima e não estou totalmente convencido de que sou eu (…) Não podemos ter certeza se essa é ou não minha mão sobre ela, seja lá o que for”, disse. 

Depois da entrevista, Andrew abandonou seus deveres públicos como membro real. O jornalista McCawley disse para a People sua opinião sobre o caso.

“A recente entrevista do Príncipe Andrew e sua ação subsequente de se retirar da vida pública são notícias bem-vindas. É um primeiro passo positivo para assumir a responsabilidade por suas ações”, destacou.

Ele ainda disse que é uma meia verdade o duque se afastar das suas funções após o escândalo. No entanto, basear sua decisão de se afastar de suas funções devido ao seu relacionamento com Jeffrey Epstein é apenas uma meia verdade. Ele claramente tinha uma associação de longo prazo com Ghislaine Maxwell”, declarou.

A última aparição pública de Andrew foi no velório do pai em abril, deste ano.

Continua após a publicidade

Publicidade