Por que a Rainha Elizabeth II não tem carteira de motorista

Dentre todos os membros da família real, a rainha é a única que pode dirigir sem carta

A última coisa que as pessoas esperam ver nas ruas da Inglaterra é um carro sendo guiado por algum membro da família real. Ainda assim, recentemente, a duquesa Kate Middleton foi ista conduzindo seu carro até o Palácio de Buckingham, chocando à todos que assistiam.

Ainda que não seja exatamente uma regra real que as mulheres da realeza devam ficar no banco de trás, é esperado que elas aproveitem a mordomia de ter motoristas. Mas indo contra esse pensamento, Kate não é a única que assume os volantes.

A própria rainha Elizabeth II já foi fotografada diversas vezes concentradíssima dirigindo seu carro. Ela, supostamente, é a única pessoa no mundo que não precisa de uma licença para andar pelas ruas inglesas.

Dirigir é um direito que a Rainha tem como parte da prerrogativa real (uma série de poderes e direitos exclusivos à soberania)! Juntamente a isso, ela nunca precisou fazer teste de condução e seu carro dispensa placa numérica.

Leia mais: Lembra dela? Lety, de A Feia Mais Bela, surge irreconhecível

Mas não se espante, porque a direção sem carteira de motorista não é o único conhecimento que Elizabeth II tem acerca de meios de transporte. Durante a Segunda Guerra Mundial, a Rainha da Inglaterra ocupava o cargo de uma mecânica super ágil.

Na época do conflito, as mulheres tinham papeis de apoio importantes, serviam como operadoras de rádio, artilheiras antiaéreas, mecânicas e motoristas. Foi nesse momento que Elizabeth II recebeu permissão para se juntar ao ATS (Serviço Territorial Auxiliar).

Ela acabou fazendo aulas de mecânica de carros e caminhões, além de aprender a dirigir caminhões e ambulâncias, sem contar todo o treinamento militar.

Ainda assim, é bastante normal ver membros da família real atrás do volante. Todo Natal, uma das tradições conta com os príncipes Harry e William dirigindo até o Palácio de Buckingham. Em outra situação, William levou Kate do hospital para casa, depois que o príncipe George nasceu.